Pular para o conteúdo principal

Perfil de alunos das universidades federais já reflete população brasileira

Relatório da Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes) atualiza o mapeamento da vida social, econômica e cultural dos estudantes de graduação das Instituições Federais de Ensino Superior (Ifes) brasileiras para 2014.

O relatório mostra que as mulheres são maioria no ensino superior, mas diversas desigualdades se mantêm dentro da universidade, tais como as nas áreas de conhecimentos, como mostra tabela abaixo. A pesquisa aponta também que: i) as graduandas provêm de famílias com renda familiar per capita média (R$ 835,10) inferior à dos indivíduos do sexo masculino (R$ 1.007,19); ii) os homens, de modo geral, possuem maior domínio no uso dos computadores; iii) homens são maioria entre estudantes que se envolvem com algum tipo de movimento (artístico, cultural, político etc); iv) homens são a maioria dos beneficiários dos programas de mobilidade internacional. 

Assim, a despeito da maior inserção das mulheres no ensino superior, ainda restam inúmeras desigualdades para serem enfrentadas em prol de relações de gênero mais igualitárias.


Fonte: Andifes, 2016

Quanto à raça, em 2003, autodeclarados (as) brancos (as) somavam 59,4% da população dessas instituições, mas em 2010 esse índice caiu para 53,93% e em 2014/5 se reduziu para 45,67%. Já autodeclarados (as) pretos (as) têm crescido em participação nas Ifes de 5,9% (2003) para 8,72% (2010) e 9,82% (2014/5). Pardos (as), na mesma trajetória, foram de 28,3% para 32,08 e em 2014/5 para 37,75%.

Quanto à renda, 66,19% dos discentes das Ifes vivem com renda per capita média familiar de até 1,5 salário mínimo (sendo que 31,97% vivem com até 0,5 salário mínimo, e 21,96% vivem com renda entre 0,5 e 1 salário mínimo). Em outras palavras, dois de cada três estudantes encaixam-se no perfil vulnerável, um valor até 50% maior do que aquele registrado na pesquisa feita em 2010. Assim, é falso o mito de que as Ifes são redutos da elite brasileira, argumento utilizado para justificar o fim da gratuidade do ensino.

Aponta-se que a democratização da universidade se deve à Lei Federal nº 12.711, de 2012 (lei de cotas), ao Sistema Enem Sisu que permitiu maior mobilidade territorial e às políticas de valorização real do salário mínimo, crédito, emprego e renda (que infelizmente se encontram em risco). 

Ainda, aponta-se que o crescimento do Plano Nacional de Assistência Estudantil (PNAES) - que apoia a inclusão de estudantes em situação de vulnerabilidade social - permitiu que ingressantes vulneráveis permanecessem vinculados às Ifes, mas o PNAES precisa ser transformado em uma Política Nacional de Assistência Estudantil.

O relatório conclui que nunca a universidade refletiu tanto a composição social da população brasileira e que o perfil discente das Ifes hoje requer assistência estudantil. (Ana Luíza Matos de Oliveira, economista/Fundação Perseu Abramo)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…