Pular para o conteúdo principal

Os ditadores são sempre bons velhinhos



Ver as pessoas serem arrastadas para fora dos estádios nesta Olimpíada por policiais burros, ignorantes e truculentos, por expressarem seu repúdio ao atual governo brasileiro, me fez lembrar de uma manhã de uma sexta-feira de setembro do longínquo ano de 1971 - tinha eu 17 anos... -, quando, no Ginásio Municipal Dr. Nicolino de Lucca, o Bolão, em Jundiaí, fui testemunha de algo que me marca até hoje.

Apesar da pouca idade era repórter do "Diário de Jundiaí" e havia sido escalado para cobrir o ponto alto da visita do ditador de plantão, o general Médici, à cidade: ele seria a estrela da formatura da primeira turma do Mobral - para quem não sabe, o Movimento Brasileiro de Alfabetização, criado pelos militares para acabar com o analfabetismo no país.

O problema era que eu não tinha a credencial necessária para entrar no Bolão, muito menos para ficar junto com a imprensa, não sei lá por que motivo.

Mesmo assim, no alto de minha arrogância juvenil, lá fui eu.

Tentei uma entrada lateral do ginásio, mas assim que me preparava para cruzar a porta, fui abordado por uns soldados.

Mostrei minha carteirinha do jornal, expliquei que estava sem a credencial, ameaçaram me prender, mas por pura sorte consegui entrar porque um dos responsáveis pela organização do evento era o cronista social do jornal, o hoje secretário de Educação paulista, o desembargador aposentado José Renato Nalini, que, não me lembro bem, ou passava pelo local naquele momento, ou pedi para chamarem a fim de me socorrer.

O fato é que consegui entrar no Bolão e ficar no espaço reservado à imprensa na quadra do ginásio, um cercadinho a uns bons metros de onde o ditador faria o seu inevitável discurso sobre como o Brasil melhorara depois da "revolução".

Essa parte correu como o esperado. 

Ele falou por uns minutos, deu um diploma para um dos alunos, cortou um pedaço do enorme bolo que prepararam para a festa e todos nós ouvimos a dupla Dom e Ravel cantar a música "Você Também é Responsável", que se tornou o hino do Mobral ("Você também é responsável/Então me ensine a escrever/Eu tenho a minha mão domável/Eu sinto a sede do saber").

O que eu não esperava - e essa cena volta e meia me aparece como um pesadelo - foi ver como estavam postados os soldados que faziam a segurança do ditador: em toda a volta do ginásio, circular (por isso chamado de Bolão), no piso da arquibancada, virados para a plateia, umas 5 mil pessoas, com os fuzis e submetralhadoras nas mãos, olhos fixos no povaréu, como se eles fossem prisioneiros.

Acho que foi a partir desse momento que percebi o que é uma ditadura: algo feito para controlar as pessoas enquanto dá a elas a impressão de que quem os controla é no máximo um bom velhinho.

Como o general Médici, torcedor fanático de futebol.

Como o Dr. Mesóclise, pau-mandado da elite mais reacionária e cruel do planeta.

P.S.: o fac-símile acima é de matéria do "Jornal do Brasil". O "Diário de Jundiaí" não existe há décadas, e o repórter que esteve a poucos metros do ditador naquela sexta-feira, 10 de setembro de 1971, hoje se limita a observar o mundo, sem nem sequer tentar entender porque as pessoas insistem em torná-lo um lugar infeliz.

(Carlos Motta)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…