Pular para o conteúdo principal

O tirano e o direito de destituí-lo


Desde o início da civilização o homem tem refletido sobre a vida em sociedade, o exercício do poder, a legitimidade e autoridade do governante, as formas de governo ideais e coisa e tal.

Bem anteriormente a Maquiavel, que com o seu "O Príncipe" estabeleceu alguns dos fundamentos da análise da sociologia política, outros pensadores trataram de temas relativos ao poder dos monarcas.

O golpe que destituiu a presidenta Dilma Rousseff certamente vai merecer, nos anos vindouros, uma série de estudos que certamente vão esclarecer sua motivação, seu modus operandi, as causas da apatia da população que se privou de importantes conquistas sociais, e como foi possível que instituições fundadas para resguardar a carta máxima da nação ajudaram na conspiração contra seus fundamentos pétreos.

Nos dois parágrafos abaixo estão textos do filósofo e político romano Cícero (106 - 43 a.C.) e de São Tomás de Aquino (1225 - 1274), um dos mais influentes intelectuais do catolicismo, que exemplificam o quanto é antiga a preocupação do homem com os desvios éticos e morais dos governantes.

Cícero pinta o retrato do mau governante:

"Em contraponto ao Bom Governo, a teoria política ergue o retrato do tirano ou o príncipe vicioso: bestial, intemperante, passional, injusto, covarde, impiedoso, avarento e perdulário, sem honra, fama ou glória, odiado por todos e de todos temeroso. Inseguro e odiado, rodeia-se de soldados, vivendo isolado em fortalezas, temendo a rua e a corte." (Do livro "Convite à Filosofia", de Marilena Chauí, a respeito do Bom Governo preconizado por Cícero)

E são Tomás de Aquino afirma que é legítimo destituí-lo:

"Quer, assim, parecer que não se deve proceder contra a perversidade do tirano por iniciativa privada, mas sim pela autoridade pública. Primeiro, porque, competindo ao direito de qualquer multidão prover-se de rei, não injustamente pode ela destituir o rei instituído ou refrear-lhe o poder, se abusar tiranicamente do poder real. Nem se há de julgar que tal multidão age com infidelidade, destituindo o tirano, sem embargo de se lhe ter submetido perpetuamente, porque mereceu não cumpram os súditos para com ele o pactuado, não se portando ele fielmente, no governo do povo, como exige o dever do rei." (Escritos Políticos) (Carlos Motta)

Comentários

  1. Se é legitimo destituir um Rei tirano , imagina um golpista barnabé de repartição. É obrigação!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…