Pular para o conteúdo principal

O prazer da traição


A mais incrível patifaria, das tantas que o golpe de Estado para apear a presidenta Dilma da chefia do Executivo revelou, foi, na minha modesta opinião, o comportamento do vice, esse homúnculo que se esconde em frases feitas abundantes de ultrapassadas mesóclises.

É estarrecedor constatar que, em nenhum momento do processo ele tenha sequer fingido uma atitude, perfeitamente normal na situação, de distanciamento na preparação e execução do "putsch" tupiniquim.

Ao contrário, fez questão de se mostrar um dos mais ativos conspiradores, participando desenvoltamente de todas as ações conspiratórias.

Agiu como se a traição que cometeu fosse algo totalmente irrelevante, até mesmo comum, de importância menor.

Ao desnudar publicamente, sem nenhum pejo, a sua falta de caráter, ao mesmo tempo que se cercava de outros tantos iguais ou piores, o Dr. Mesóclise teve uma atitude raras vezes vista na história do país: traidores sempre os houve, mas não traidores que tiveram prazer de revelar a todos o que são.

O Dr. Mesóclise e sua patética corte de desclassificados intelectuais, morais e éticos, certamente, algum dia, vão ser objeto de estudos científicos não apenas sociológicos, mas principalmente comportamentais, psicológicos e biológicos, para determinar se, afinal, podem ser classificados como pertencentes à espécie humana ou são produto de alguma degenerescência evolutiva.

Comentários

  1. Sem dúvida um "traira estilo barroco". Irch!!!

    ResponderExcluir
  2. Queria também entrar num túnel do tempo só para ver como essa figura vai entrar para a história.
    Tenho que ele vai virar sinônimo de trairagem: "fulano temerou sua mulher"; "fui temerado lá no serviço"; "nunca vi temeragem maior"; "perdoa-me por me temerares, a nova canção de Chico Buarque", e por aí vai.
    Calabar e Joaquim Silvério dos Reis estão com seus dias contados.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…

O profeta Chico Buarque

Carlos Motta

Que Chico Buarque é um dos poucos gênios da raça, não há a menor dúvida.

Tudo o que ele fez e faz, faz bem.

Isso é fato provado e comprovado.

O que poucos sabem, porém, é que o músico, cantor, letrista, poeta, romancista, teatrólogo etc e tal tem poderes proféticos, como se fosse um Nostradamus tropical, capaz de, 30 anos atrás, prever o que seria o Brasil de hoje, o malfadado Brasil Novo nascido do assalto que a mais cruel, torpe e voraz quadrilha já empreendeu na história da humanidade.

"Vai Passar", na pegada arrebatadora de um samba-enredo, diz tudo sobre este país desafortunado.

Além de prever o seu futuro, explicitado em poucos e ótimos versos:

"Num tempo
Página infeliz da nossa história
Passagem desbotada na memória
Das nossas novas gerações
Dormia
A nossa pátria mãe tão distraída
Sem perceber que era subtraída
Em tenebrosas transações"

Quem sabe, sabe.

Chico Buarque sabe tudo e um pouco mais.

Aí estão, aos olhos de todos, as mais tenebrosas transações que possa…