Pular para o conteúdo principal

O latido do vira-lata


A Copa do Mundo de futebol, disputada em 2014 no Brasil, foi um sucesso.

A Olimpíada de 2016, disputada no Rio de Janeiro, foi um sucesso.


Os dois megaeventos, muito além do esporte, são de dificílima organização, exigem altos investimentos, expertise em vários campos, e extremo profissionalismo.

A imprensa brasileira, nos dois casos, profetizou o caos e encarnou como poucas vezes visto o vira-latismo que grande parte dos brasileiros faz questão de carregar na alma. 

O Brasil é isso: uma nação capaz de executar os mais altos feitos, como por exemplo tirar mais de 30 milhões de pessoas da miséria em poucos anos, e ao mesmo tempo abrigar uma gente que não só se incomoda com o desenvolvimento do país, como faz de tudo para que ele não ocorra.

Para eles, o que é bom no Primeiro Mundo é péssimo no Brasil. 

Nunca, para eles, vamos ter a oportunidade de viver numa sociedade sem tantas desigualdades, sem tanto ódio, sem tanto preconceito, sem tantos miseráveis.

Somo um povo, segundo eles, destinado ao fracasso, à ignorância, à dependência, ao eterno vexame de aceitarmos a nossa inferioridade.

Por mais que demonstremos o quanto somos capazes, para eles sempre seremos um pobre de um vira-lata sarnento, a vagar famélico, sujeito aos rigores das tempestades, sem abrigo e sem destino.

Um vira-lata enxotado a pontapés pelos homens de sempre toda vez que se aproxima das mesas fartas em busca de alguma sobra de comida. (Carlos Motta)

Comentários

  1. Essa gente que joga contra o Pais, trabalha em causa própria. Sabem que, em um Brasil do Primeiro Mundo, o lugar deles é um só: XILINDRÓ.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…