Pular para o conteúdo principal

O Brasil Novo desafia a lógica


Em nenhum lugar do universo, a não ser neste Brasil Novo, seria possível, por exemplo, a ocorrência de fenômenos como:

1) Um presidente que se esconde do povo;

2) Um ministro da Saúde que diz que a maioria das pessoas procura atendimento médico porque se imaginam doentes;

3) Um projeto de lei para tornar a escola uma fábrica de imbecis;

4) Um processo de impedimento de uma presidenta que não é ré de nenhum crime conduzido por parlamentares que são réus em vários crimes;

5) Um juiz de 1ª instância ter mais autoridade que ministros da mais alta corte judiciária;

6) Um grupo formado por um juiz de 1ª instância, procuradores da República, delegados e policiais destruir o setor de construção, punindo não seus executivos corruptos, mas as empresas;

7) O mesmo grupo tentar destruir a principal empresa do país - e uma das maiores do mundo no setor petrolífero;

8) Uma população que festeja o fim de direitos trabalhistas, previdenciários, sociais, de assistência médica e da educação;

9) Um ministro da Educação analfabeto;

10) Emissoras de rádio e televisão controladas por criminosos que se dizem "bispos" e "pastores" evangélicos;

11) Um Parlamento composto por 2/3 de corruptos e picaretas de toda a espécie;

12) Empresários inimigos do partido em cujos governos eles mais lucraram;

13) Empresários que defendem o "Estado mínimo", mas pedem socorro ao Estado ao primeiro sinal de que seus lucros vão diminuir;

14) Pessoas que clamam por "intervenção militar constitucional";

15) Um ministro da mais alta corte judiciária ativista entusiasmado de um partido político de direita;

16) Corruptos e corruptores que defendem o fim da corrupção - dos outros;

17) Um ex-presidente da República, de renome internacional, acusado do crime de ter um apartamento que não lhe pertence e de frequentar um sítio de amigos;

18) Uma imprensa que publica obras de ficção em vez de notícias;

19) Pessoas que ainda vivem no tempo da Guerra Fria e acham que a Rússia é a União Soviética, o PT é comunista, e Cuba é uma imensa prisão;

20) Pessoas que acreditam que o capitalismo dá oportunidade a todos e sem ele não há salvação. (Carlos Motta)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…