Pular para o conteúdo principal

A luta de classes e o fim dessa raça


Quase meio século atrás o ditador de então, general Ernesto Geisel, proclamou o fim da luta de classes no Brasil.

Bem mais recente foi a declaração de um pupilo seu, o ex-senador Jorge Bornhausen, exprimindo o desejo dele e os dos seus próximos de "acabar com essa raça", referindo-se aos petistas, ou seja, filiados e simpatizantes do Partido dos Trabalhadores.

A luta de classes, como qualquer pessoa com dois neurônios pode observar, está a cada dia mais intensa no país - o general ditador errou feio na sua análise.

Já quanto ao desejo do senador Bornhausen, praticamente tudo o que é feito no Brasil hoje nas altas esferas da política, sob o amparo da mais reacionária oligarquia do planeta, vai no sentido de exterminar, metafórica e literalmente, a representação partidária da esquerda - o PT é apenas o símbolo mais forte dessa ideologia.

A feroz caça aos petistas - e à esquerda em geral - dura mais de dez anos, desde o episódio do chamado "mensalão", que manchou indelevelmente a imagem da mais alta corte judiciária da nação.

O "mensalão" abalou o PT, mas não foi capaz de liquidá-lo, como se pretendia.

Este novo atentado ao Estado de Direito perpetrado pelo Congresso Nacional, que pretende cassar os 54 milhões de votos dados à presidenta Dilma Rousseff, é tão somente mais um capítulo da aventura dos golpistas de sempre - os endinheirados e seus asseclas.

O roteiro do filme é de uma simplicidade atroz: nem Lula, o mais popular presidente que o Brasil já teve, nem o seu partido político, nem as suas lideranças, devem sobreviver.

Se houver a possibilidade de, no embalo desse assalto à democracia, as tropas da reação eliminarem o PT do cenário político brasileiro, melhor. 

O problema desse enredo tosco é que, ao abusar dos efeitos especiais, seus autores acabaram suprimindo a realidade.

E ela mostra que é impossível impedir, em qualquer agrupamento humano, o embate de ideias.

A ditadura, da qual o general Geisel foi um fervoroso cruzado, durou apenas duas décadas, e para o seu fim a luta de classes teve um papel importante.

Acabar com "essa raça" pode, neste momento, ser uma aspiração quase concretizada.

É bom lembrar, porém, só para citar um exemplo, que nem os nazistas, com toda a sua crueldade, foram capazes de exterminar os judeus. (Carlos Motta)

Comentários

  1. Francamente, acho que todos esses chavões da direita, na verdade exploram o medo das pessoas, para que não percebam a mão boba no cofre. Haja conta na Suiça!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…