Pular para o conteúdo principal

Dia dos Pais no ritmo do desgoverno Temer

O pessoal bem que tenta, mas está difícil brigar contra a realidade: a economia patina, não reage, parece que o desgoverno do Dr. Mesóclise não está estimulando nem o apetite dos investidores, nem a ganância dos empresários ou a ingenuidade dos consumidores.

O release abaixo resume o momento do país:

Dia dos pais apresenta queda de fluxo de clientes

Período sazonal apresenta queda de 7,2%, no comparativo com 2015. No corte regional, Sul é destaque com resultado positivo.

O período que equivale ao momento sazonal do Dia das Pais de 2016 registrou redução de 7,2% se comparado a 2015, em relação ao fluxo de pessoas no varejo físico. O apontamento é do ICV (Índice de Consumidores no Varejo), divulgado pela Virtual Gate, empresa especializada no monitoramento de fluxo de clientes em pontos de venda.

A análise demonstra que o crescimento de fluxo em decorrência da sazonalidade do Dia das Pais inicia-se com três semanas antes da data festiva, havendo picos de fluxo maiores na última semana

Os dados mostram também que a região Sul foi a que registrou o melhor desempenho em relação ao ano anterior, registrando crescimento de 0,3% na comparação entre os períodos de 2015 e 2016, sendo a única região a registrar alta. As maiores reduções de fluxo foram nas regiões centro-oeste (-10,8%) e nordeste (-8,0%).

Comparativo 2016 x 2015 por região:

NORTE: - 6,9%
NORDESTE: - 8,0%
CENTRO-OESTE: - 10,8%
SUDESTE: - 9,3%
SUL: + 0,3%

De acordo com Samuel Macedo, gerente de indicadores pós-vendas e indicadores da Virtual Gate, o resultado do fluxo menor ainda é uma consequência da recessão que o país vem enfrentando. “Ainda existe um cenário de falta de confiança por parte do consumidor, principalmente por conta do alto risco de desemprego”.

Na opinião de Heloísa Cranchi, diretora geral da Virtual Gate, ainda há esperança de retomada nesse ano. “Tudo ainda depende dos rumos econômicos e políticos do país. A falta de algumas definições nesse sentido ainda prejudicam a retomada de investimentos no setor. Mesmo assim, o consumidor ainda está buscando reais oportunidades e ofertas, e quem conseguir entender isso, poderá colher bons frutos ainda nesse ano”.

A base analisada conta com mais de 1200 pontos de medições (lojas) adota a Classificação Nacional de Atividades Econômicas - CNAE, na sua versão mais atual 2.0, ponto de referência Base 100 = Janeiro de cada ano para comparativos anuais, e Base = 100 primeiro mês analisado no comparativo mês a mês.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…