Pular para o conteúdo principal

Democracia não é só uma palavra


Texto publicado no blog Crônicas do Motta em 15 de agosto de 2015:

Sou um defensor radical da democracia, não só como sistema social e político, mas em toda as atividades humanas.

Se a democracia estivesse realmente fazendo parte do dia a dia das pessoas, o mundo, garanto, seria muito melhor que hoje.

Pego o exemplo da minha profissão - ou ex, já que estou aposentado.

Numa redação de jornal (ou de revista, televisão, rádio...) a democracia não tem vez. 

O repórter é um mero cumpridor de ordens - ou, no jargão jornalístico, de pautas -, o editor segue a linha editorial da casa, que, por sua vez, reflete o pensamento do patrão.

Tudo verticalizado.

Tudo na base da imposição, das ordens peremptórias.

Claro que esse regime ditatorial é disfarçado com um monte de reuniões - de pautas, de matérias para primeira página, de reportagens especiais ... -, que não passam de um teatrinho mal encenado para fazer de conta que todo mundo é ouvido.

E se numa redação de jornal, composta por pessoas bem informadas, de curso superior, letradas e tal, é assim que são as coisas, imagine no resto das atividades sociais.

O conceito da democracia é bem conhecido por todos, imagino. 

Mas como a sua prática é, na realidade, pouco desenvolvida no Brasil, as pessoas acabam dando pouca  - ou nenhuma - importância para os valores democráticos.

Conheço muita gente mais ou menos de minha idade, que viveu o período da ditadura militar e tem saudade daquele tempo, por julgar que, naquela época o país era mais organizado e funcionava bem melhor que hoje.

Sinceramente, não sei como essas pessoas podem pensar assim, se sofreram uma lobotomia, estão com Alzheimer, ou simplesmente são idiotas.

Tudo, repito, tudo, era pior no Brasil da ditadura militar.

Não existe termos de comparação.

Claro que não foi só o ressurgimento da democracia, mesmo que trôpega, que levou o país a um outro nível civilizatório. 

Para que houvesse esse avanço foi necessário uma soma de fatores, desde a formação de uma geração de lideranças políticas, sindicais e sociais, que levaram muita porrada, até a massificação informativa e cultural provocada pela internet e pelas novas tecnologias voltadas à comunicação, como os telefones celulares, smartphones, tablets, notebooks...

Hoje, só não se informa instantaneamente quem não quer.

O problema é que, paradoxalmente, a maioria utiliza todos esses gadgets que estão à sua disposição, capazes de revelar os segredos mais profundos do universo, para colher informações das mesmas fontes de sempre, aquelas para as quais a democracia é muito, mas muito relativa.

Só quando as pessoas compreenderem que quase sempre o que leem, ouvem ou veem diariamente não é a verdade factual, mas uma edição parcial e corrompida da realidade, é que a verdadeira democracia começará a se fortalecer no Brasil.

E até que isso ocorra, estaremos sujeitos à manipulação mais grosseira, que, infelizmente para todos, pode nos levar a um retrocesso de consequências trágicas. (Carlos Motta)

Comentários

  1. Sem Lei, vivemos novamente, aliás como sempre, a sociedade das quadrilhas organizadas, cuja principal fonte de renda sempre foi o Erario Publico.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…