Pular para o conteúdo principal

Crise no Mercosul é essencialmente política

Já dura quase um mês o impasse sobre a transferência da presidência pró-tempore (PPT) do Mercosul. Durante todo o mês de julho, os governos da Argentina, do Brasil e do Paraguai fizeram gestões para impedir que a Venezuela assuma a presidência do bloco, contrariando o Tratado de Assunção, que estabelece rotatividade por ordem alfabética a cada seis meses. Como não há a figura institucional de um presidente do Mercosul, o país encarregado da PPT é responsável por convocar, organizar as pautas e sediar as reuniões durante seu turno.

O Paraguai está na linha de frente das posições mais duras contra o governo de Nicolas Maduro, reclamando a aplicação das cláusulas democráticas tanto no Mercosul, quanto na Organização dos Estado Americanos (OEA). Brasil, Argentina e Paraguai tentam ainda reverter a adesão plena da Venezuela por meio de um artifício, ao argumentarem que aquele país não cumpriu o prazo para a adequação normativa às regras da tarifa externa comum e que, portanto, não seria um membro pleno e não poderia assumir a presidência pro tempore. A rigor, as duas medidas não estão relacionadas. Não há nenhuma sanção prevista se as normas não estiverem plenamente internalizadas dentro do prazo inicialmente estipulado.

As primeiras sinalizações em direção a esse impasse aconteceram ainda no início do mês passado, quando, diante do desacordo por parte dos outros três membros do bloco, o Uruguai adiou uma reunião prevista para o dia 11 de julho e remarcou a transmissão da presidência para 30 de julho, durante encontro do Conselho Mercado Comum. Contudo, no final da semana passada, diante da continuidade do impasse, o governo uruguaio cancelou a reunião do CMC e declarou, por meio de nota oficial, que seu turno na presidência do Mercosul estava encerrado.

A posição uruguaia foi coerente com sua argumentação de que não há base jurídica para impedir a posse da Venezuela. Seguindo a rotatividade por ordem alfabética, o presidente, Nicolas Maduro, declarou na última segunda-feira que assumiu a presidência do bloco a partir daquela data. Contudo, o ato não foi reconhecido por Brasil, Argentina e Paraguai. Na segunda-feira, Serra enviou uma carta aos membros do bloco, na qual criticou a decisão uruguaia e afirmou considerar que a presidência do bloco se encontra vaga.

Na quinta-feira, 4 de agosto, os chanceleres Eladio Loizaga (Paraguai), Susana Malcorra (Argentina) e o interino José Serra autoconvocaram uma reunião na sede do Mercosul em Montevidéu, sem a presença de representantes venezuelanos. No Brasil, o chanceler interino declarou à imprensa defender que os embaixadores do Brasil, da Argentina, do Paraguai e do Uruguai formem um conselho informal para presidir o Mercosul nos próximos seis meses. Não há nenhuma base jurídica nos documentos do Mercosul para uma eventual solução deste tipo.

Em comunicado divulgado nesta semana, a Coordenadora de Centrais Sindicais do Cone Sul, principal articulação sindical no âmbito do bloco, denunciou a ideologização por parte dos países que vêm impedindo o funcionamento institucional deste e acusou um golpe em curso no Mercosul, dada a ausência de base jurídica para impedir a presidência venezuelana.

Vale lembrar que, juridicamente, em tese, o único caminho para impedir a presidência venezuelana seria uma suspensão com base na cláusula democrática, mas não é este o caminho que está sendo trilhado por Brasil, Argentina e Paraguai. A linha do governo interino brasileiro tem sido levantar artifícios sobre a própria adesão plena da Venezuela, que sempre foi contestada pela oposição conservadora no Brasil. Ou seja, o impasse no Mercosul é sobretudo político e, em certa medida, traz analogias com o próprio golpe no Brasil. (Terra Budini, internacionalista/Fundação Perseu Abramo)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…