Pular para o conteúdo principal

Brasil está prestes a ingressar no século 19


Os planos da camarilha que tomou de assalto o governo central para o trabalhador são de provocar pesadelos.

Segundo informam os veículos que servem para divulgar as notícias oficiais, antes denominados de jornais, o que se pretende mesmo é exterminar a CLT, o conjunto de leis que dão alguma proteção ao trabalhador, e que serve para que haja algum equilíbrio nas relações trabalho-capital.

Pelo que se sabe, o Dr. Mesóclise e sua turma pretendem liberar geral essas relações, ou seja, tudo seria negociado (?) entre patrões, que têm todo o poder, e empregados, que não tem poder nenhum.

E essa negociação (?) abrangeria tudo, desde as horas de trabalho até o pagamento de férias, 13º salário, FGTS...

Tudo, tudo.

Ou seja, não sobraria nada para o trabalhador, a não ser aceitar as regras que os patrões imporiam.

Seria um festival de chantagens, do tipo, "ou vocês aceitam o que propomos, ou vamos demitir todo mundo e recontratar outros tantos por metade do salário atual".

Num cenário como o atual, com o desemprego aumentando, é fácil imaginar como serão as negociações (?).

Claro que a turma do Dr. Mesóclice e os empresários que a sustentam vão vender o peixe como se ele fosse um atum azul, o mais caro do mundo, e não uma sardinha podre.

Vão dizer que o desemprego de hoje é causado por essa maldita CLT, leis do tempo do onça, inspiradas no fascismo e coisa e tal, e que sem ela tudo vai melhorar do dia para a noite, milhões de vagas serão criadas como num passe de mágica - e viva o Brasil Novo!

E quando a maioria da população se convencer disso, depois de ouvir essa mentirada toda dia e noite, em emissoras de TV e rádio, nos semimortos jornalões, nas redes sociais e portais noticiosos da internet, nos cultos dirigidos por pastores (?) picaretas e estelionatários, em salas de aulas, em locais de trabalho, em discussões de mesas de bar, em reuniões familiares, será tarde demais - o Brasil terá voltado aos tempos da pré-revolução industrial. (Carlos Motta)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…