Pular para o conteúdo principal

A deslealdade como norma, a traição como virtude


Muito tempo atrás ouvi de um jornalista com quem convivi durante um certo tempo que naquele jornalão paulistano em que ele trabalhava o desempenho do pessoal não era medido apenas pelo lado profissional, ou seja, se o sujeito sabia apurar uma notícia, se escrevia bem, se era um copidesque eficiente, mas também se tinha um bom caráter.

Claro que essa história de avaliar o caráter de alguém exige um enorme grau de subjetividade.

O que pode ser uma virtude para alguns pode ser um defeito para outros.

Mas há valores que são vistos como positivos por todos.

Entre eles, certamente está a lealdade.

O sujeito leal é, segundo os nossos dicionários, aquele que age conforme as leis da probidade e da honra, é digno, honrado, íntegro, não falta à palavra dada ou a cumpre irrestritamente, é fiel, respeitador, responsável, é alguém em quem se pode contar, é confiável, sincero, verdadeiro...

E por aí.

E por essas e outras fica fácil saber o que levou esse segundo governo Dilma ao desastre e à consequente tragédia que se abate sobre o país.

Está certo que num governo de coalização, que foi o modelo escolhido pelo PT para chegar e se manter no poder, você tem de engolir muitos sapos, tem de conviver com desconhecidos, tem de aceitar trabalhar com alguém que, até outro dia, você nem sabia que existia.

Mas o nível de deslealdade com a presidenta e o programa de governo por parte das pessoas escolhidas para compor a administração federal é coisa do outro mundo.

A impressão é de que todos conspiravam com todos em todos os momentos.

O resultado não poderia ser outro.

O Dr. Mesóclise e seu bando são a definição viva, em carne e osso, da deslealdade.

A eles se juntam ministros do Supremo Tribunal Federal nomeados por Lula e Dilma, e até o procurador-geral da República, entre outras figuras menores.

O que falta a essas pessoas em caráter, sobra em cinismo, desfaçatez e hipocrisia.

E ousadia.

Afinal, são raros aqueles que exibem publicamente, como um troféu, a traição, e que querem nos convencer de que ela é uma virtude. (Carlos Motta)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…