Pular para o conteúdo principal

A certeza de que nada vai mudar


O debate dos candidatos a prefeito e vereador em Serra Negra não é feito em emissoras de televisão ou rádio - é nos vidros traseiros dos veículos, mesmo.

As propagandas começam a ser vistas, trazendo o nome ou apelido dos candidatos, do tipo "Zé da Farmácia", "Tião do Hospital", coisa, imagino de comunidades pequenas - Serra Negra tem cerca de 28 mil habitantes-, onde muitas pessoas ainda se conhecem, do trabalho, da vizinhança, da família, do comércio...

Elas trazem também em destaque o número do candidato, mas, estranho, ninguém se importa em dizer a que partido pertence.

Talvez porque, pelo menos em Serra Negra, isso pouco importa.

As relações de amizade, de compadrio, de interesses, é que valem.

Fulano vai votar no candidato do grupo político do atual prefeito - o sempiterno clã Chedid, que tem como chefe o ainda todo poderoso Jesus, irmão do falecido e conhecido Nabil - porque ele é funcionário público e não quer arriscar o emprego com uma mudança na administração - em Serra Negra existem muitos funcionários públicos.

Ou então vai votar em beltrano porque lhe deve um favor pessoal, ou porque ele lhe prometeu uma ajuda num negócio futuro, ou mesmo porque um parente próximo pediu o voto, ou porque simplesmente ele acha que aquele cara é legal, simpático e boa gente.

O fato é que até agora nenhum dos três candidatos a prefeito apresentou um programa de governo detalhado, algo que diga ao eleitor porque ele deve ser o escolhido, e não os seus adversários.

É tudo na base de sicrano é oposição ao prefeito, que por sua vez apoia um candidato que já lhe fez oposição, e nessa briga surge um terceiro que se apresenta como o novo, mas é filiado do PRB, o partido da Igreja Universal, coisa mais velha que a Sé de Braga.

O fato é que não existe novo na política serrana.

É tudo velho e manjado.

Não há nenhum candidato progressista - ou menos reacionário.

Os dois vereadores que o PT tinha se bandearam para o PR!

Ou seja, pelo menos na teoria fizeram as suas convicções ideológicas dar uma volta de 180 graus.

E um deles, para tornar a situação mais dramática, era o presidente do Diretório Municipal.

O atual prefeito, um octogenário de apelido Bimbo, foi condenado, em segunda instância, a perda do mandato e multa por improbidade administrativa.

Seu filho, eleito vereador, também foi condenado, por corrupção eleitoral.

Os exemplos da política de Serra Negra podem até chocar algumas pessoas mais puras de coração, mas o que acontece na cidade é tão somente uma repetição do que ocorre por todo o Brasil - a diferença é que numa cidade pequena é mais difícil esconder certos fatos.

Posso estar completamente enganado, mas penso que esta eleição municipal, de modo geral, vai reforçar ainda mais o tipo de política que se faz no Brasil desde sempre - apesar de todas as evidências de que grande parte da crise que o país vive é culpa exclusiva dessa gente que resolve entrar na vida pública para montar, onde conseguir, o seu balcão de negócios.

Pelo menos aqui em Serra Negra tenho a certeza de que nada vai mudar. (Carlos Motta)

Comentários

  1. Acredito tambem que não va mudar. Com o fim da Constituição, o Governo nada mais é que o cofre publico cercado de quadrilhas por todo lado. Mas como diz o Juiz: "isso não vem ao caso". É por isso que meu voto nessa eleição é: " solta o meu saco, seus cinicos vigaristas."

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…