Pular para o conteúdo principal

78 parlamentares são candidatos às eleições deste ano

Levantamento preliminar do Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar, o Diap, com as candidaturas registradas no TSE, dá conta que 78 parlamentares — deputados e senadores — concorrem a eleição municipal de 2016, número abaixo da média histórica, que é de 89 nomes.

Dos que concorrem este ano, 76 são deputados federais, sendo 68 candidatos a prefeito e oito a vice-prefeito, e os dois senadores (Marta Suplicy, em São Paulo; e Marcelo Crivella, no Rio de Janeiro) concorrem ao cargo de prefeito.


A redução do número de candidato, na avaliação do Diap, decorre basicamente de três fatores: 

1) o fim do financiamento empresarial de campanha; 

2) o desgaste da imagem dos parlamentares em função das investigações da Operação Lava-Jato; 

3) a difícil situação financeira dos municípios.

Entre os deputados, os partidos com maior número de postulante são o PMDB, com 12, seguido do PT, com nove, e do PSDB, com oito candidatos. O PCdoB está na disputa com seis deputados, enquanto PSB, PTB, PRB e PR, com cinco cada. O PSOL tem quatro candidatos e DEM e PSD, três. PP, PPS, SD, PDT e REDE com dois e PSC, PTdoB, PROS e PHS com apenas um candidato cada.

Por região

Por região registra-se que cerca de metade (39) das candidaturas se concentra na região sudeste, seguida pela região nordeste (24), norte (6), sul (6) e centro-oeste (3).

Capitais

As prefeituras do Rio de Janeiro e de Belo Horizonte são as mais disputadas, sendo cinco congressistas concorrentes em cada. No Rio de Janeiro disputam o senador Marcelo Crivella (PRB) e os deputados Pedro Paulo (PMDB), Jandira Feghali (PCdoB), Alessandro Molon (REDE), e Índio da Costa (PSD); o deputado Hugo Leal (PSB) é candidato a vice da chapa deste último. Por sua vez, concorrem em Belo Horizonte os deputados Rodrigo Pacheco (PMDB), Reginaldo Lopes (PT), Eros Biondini (PROS), Marcelo Álvaro Antônio (PR) e Luis Tibé (PTdoB). A deputada Jô Moraes (PCdoB) é a candidata a vice-prefeita na chapa de Reginaldo Lopes.

Já a paulistana é disputada por quatro parlamentares: a senadora Marta Suplicy (PMDB) e os deputados Major Olímpio (SD), Luiza Erundina (PSOL) e Celso Russomano (PRB). Além disso, concorrem à vice-prefeitura de São Paulo os deputados Ivan Valente (PSOL), na chapa da deputada Erundina, e Bruno Covas (PSDB), na chapa de João Dória Jr. (PSDB). Em Maceió também se enfrentam quatro parlamentares: Givaldo Carimbão (PHS), Paulão (PT), Cícero Almeida (PMDB) e JHC (PSB).

Em Belém, dois deputados disputam: Éder Mauro, pelo PSD, e Edmilson Rodrigues, pelo PSOL. Em Fortaleza, a disputa conta com a participação dos deputados Ronaldo Martins (PRB) e Luizianne Lins (PT), sendo que o deputado Moroni Torgan (DEM) é candidato a vice na chapa de Roberto Cláudio (PDT). De maneira semelhante, na capital amazonense concorrem os deputados Silas Câmara (PRB) e Hissa Abrahão (PDT), sendo que o deputado Marcos Rotta (PMDB) é candidato a vice na chapa de Arthur Virgílio Neto (PSDB).

Em outras sete capitais haverá candidatura de um deputado. Em Porto Alegre concorre Nelson Marquezan Jr. (PSDB); em Salvador, a deputada Alice Portugal (PCdoB); em Vitória, Lelo Coimbra (PMDB); em São Luis, Eliziane Gama (PPS); em Recife, Daniel Coelho (PSDB); em Goiânia, delegado Waldir (PR); e em Boa Vista, Abel Mesquita (DEM).

Em João Pessoa, por sua vez, nenhum deputado pleiteia a vaga de prefeito, todavia, os deputados Manoel Junior (PMDB) e Wilson Filho (PTB) disputam pela vaga de vice-prefeito; o peemedebista na chapa de Luciano Cartaxo (PSD) e o petebista na de Cida Ramos (PSB). (Agência Diap)

Comentários

  1. O Rio merece um prefeito que se preocupe de verdade com a cidade! Eu acho que a pessoa mais indicada ao cargo é o Crivella. Suas propostas mudariam o Rio para melhor!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…