Pular para o conteúdo principal

Veja "integra" redações. Mais um sinal de que a crise lá é grave

Um release distribuído hoje (18 de julho) pela Editora Abril mostra que a situação no principal veículo do grupo, a revista Veja, está mesmo, como muitos dizem, muito ruim.

Segundo o comunicado, a Veja "deu mais um passo esta semana para integrar suas redações on e offline" - e segue um blá-blá-blá sobre o "novo portal" da revista e coisa e tal.

O importante mesmo na nota é essa história de "integrar" as redações.

Em português claro isso significa que haverá mais demissões - e mais trabalho para os pobres coitados que forem preservados do corte.

Vivi várias "integrações" de redações no Estadão, hoje em estado comatoso. 

Elas começaram lá longe, nos anos 90.

A cada "integração" um monte de gente foi mandada embora.

Para quem não conhece a fundo o ofício, essa medida adotada frequentemente por empresas jornalísticas em dificuldade, tem lógica - afinal, pensa esse pessoal, para quê dois repórteres, dois redatores, dois editores, se a notícia é a mesma que vai ser publicada nas edições impressa e digital?
peculiaridades.

Uma revista impressa é completamente diferente de seu congênere digital.

É como comparar um Ford T com uma Ferrari. Os dois são carros, mas...

Decisões como essa da Abril mostram que, com raríssimas exceções, os donos da comunicação de massa brasileiros ainda não conseguiram captar a essência do que é a internet, do que ela significa em mudanças de hábitos, de velocidade e de democratização da informação, da revolução, enfim, que ela representou para os seres humanos.

Essa ignorância tem custado caro, tanto para eles quanto para os operários da imprensa.

(Carlos Motta)

Segue a íntegra do release da Abril: 

Veja anuncia integração das redações on e offline

A revista VEJA deu mais um passo esta semana para integrar suas redações on e offline. Um dos resultados desse processo é o lançamento do novo portal Veja.com, que está no ar desde a última terça-feira. Mais moderno e com novo publicador, o site oferece aos leitores maior possibilidade de interação com as redes sociais.

As mudanças estão alinhadas ao conceito de adição do impresso ao digital, que a Abril vem trabalhando mais intensamente ao longo deste ano. Outra mudança é a chegada de um novo redator-chefe. O jornalista Maurício Lima, que atuava nos últimos dois anos como diretor executivo da Unidade Populares, da InfoGlobo, volta à Abril e terá, entre suas funções, o comando da coluna Radar. Lima foi repórter e editor de VEJA, editor-executivo de EXAME e Publisher de VEJA RIO, VEJA Brasília e VEJA BH.

Ele atuará ao lado dos também redatores-chefes Fábio Altman, Policarpo Junior e ThaysOyama. Segundo o diretor de redação André Petry, no comando de VEJA desde março, as alterações na estrutura e no portal têm o objetivo de levar ao leitor conteúdos cada vez melhores e mais ágeis, independente da plataforma. “Nosso compromisso maior sempre será com o jornalismo de qualidade, seja no online ou off-line”, afirma.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…