Pular para o conteúdo principal

Sim, o câmbio importa

O neoliberalismo econômico tem recebido críticas de um de seus maiores defensores, o Fundo Monetário Internacional (FMI). Em maio deste ano, o artigo “Neoliberalismo: vendido em excesso?”, assinado pelo vice-diretor do departamento de pesquisas, Jonathan D. Ostry, o chefe divisional Prakash Loungani e pelo economista Davide Furceri, demonstra que a política que caracterizou a instituição já não é uma unanimidade. Resumidamente, os autores concluíram que as políticas defendidas pelo FMI de livre mobilidade de capitais e austeridade fiscal não funcionaram. Na realidade, em alguns casos estudados, aumentou a desigualdade, o que, no médio prazo, prejudicou o crescimento econômico. 

Mais interessante ainda é o recente posicionamento, tanto do FMI quanto de bancos internacionais, quanto à questão cambial. Neste mês, o economista sênior do Goldman Sachs, Alberto Ramos, declarou que o real está ficando sobrevalorizado novamente. Para ele, o câmbio de equilíbrio para o Brasil deveria estar em entre R$ 3,60 e R$ 4,00 reais. Segundo Ramos, o atual patamar de cerca de R$ 3,30 não é justo para a economia. “A economia está em uma depressão. O câmbio hoje deveria estar barato, competitivo”. 

Na mesma linha, na quarta-feira (27), o FMI divulgou que a onda de apreciação do real na primeira metade do ano esteve acima do apropriado. A instituição estima que, na realidade, em 2015, a taxa real de câmbio efetiva já mostrava uma apreciação de 5% a 15% em relação ao que seria adequado.

 Em suma, a taxa de câmbio tem sido colocada no centro do debate por instituições historicamente defensoras do neoliberalismo. A visão de que o câmbio seria uma variável residual (na linguagem econômica) tem sido colocada em xeque. Assim, é necessário que a política econômica passe a ser direcionada para o controle da volatilidade cambial e da rota de apreciação do real. Sem isso, o equilíbrio das contas externas e a competitividade dos produtos manufaturados nos mercados internacionais ficarão fortemente comprometidas. (Igor Rocha, economista/Fundação Perseu Abramo)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…