Pular para o conteúdo principal

Proposta para limitar gasto público é desastrosa para o setor social

A Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 241/2016 impõe um limite para o aumento do gasto público federal definido pela inflação do ano anterior (medida pelo Índice Nacional de preços ao Consumidor Amplo (IPCA), por um período de 20 anos, o que congelaria o gasto público em termos reais, sem relação com capacidade de arrecadação (receita) ou com as demandas por bens e serviços públicos (despesa). 

Tal medida afeta diretamente o Gasto Social Federal (GSF), ainda mais se considerarmos que os gastos serão congelados em um patamar adotado em um período de ajuste fiscal, após redução drástica do orçamento social. 

Diversos analistas têm apontado os efeitos nefastos da referida PEC. Por exemplo, levantamento do Prof. Daniel Arias Vazquez, conforme a tabela abaixo, mostra o cenário para o GSF de 2003 a 2015, caso a regra Temer – Meirelles (PEC 241) tivesse sido aplicada:




Segundo o professor, em valores reais de dezembro de 2015, a PEC 241 teria retirado 3,2 trilhões de reais de recursos federais aplicados na política social.

Ainda, Daniel Cara, coordenador geral da Campanha Nacional pelo Direito à Educação, aponta que leis do campo da educação estariam em risco com a PEC. Segundo ele, seriam por exemplo a Lei 11.738/2008 (Piso nacional salarial do magistério), a Lei 12.858/2013 (Destinação de recursos petrolíferos para a educação e a saúde) e a Lei 13.005/2014 (Plano Nacional de Educação). Assim, grandes lutas políticas que foram travadas para garantir direitos sociais que se expressam nessas leis estão em grave ameaça no governo interino de Temer. (Ana Luíza Matos de Oliveira, economista/Fundação Perseu Abramo)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…