Pular para o conteúdo principal

Políticas de educação ignoram projeto de Justiça social

Tese de doutorado de Denise Carreira, recentemente defendida na Faculdade de Educação da USP, aborda as políticas de diversidade na educação até 2014 e sua contribuição para o reconhecimento e a promoção dos direitos humanos e a superação do racismo, sexismo, homofobia e demais desigualdades e discriminações brasileiras. São apresentadas reflexões comprometidas com a ampliação da capacidade das políticas educacionais a fim de dar respostas a essas agendas.

Para a autora, nesses 12 anos de governos petistas, apesar da criação de políticas, programas e iniciativas governamentais importantes, as políticas educacionais não tiveram como prioridade o investimento sistêmico na construção de uma cultura democrática comum que ampliasse as bases para o desenvolvimento e a sustentação de um projeto de justiça social no país. Ou seja: apesar dos avanços, muito ainda precisaria ser feito para que a justiça social se instaurasse como um valor no país, com a diminuição das desigualdades em suas diversas formas.

A autora aponta ainda que é fundamental destacar a crítica ao consumismo como base de um projeto de cidadania e de sociedade, pois o mesmo é incompatível com a justiça social e com a sustentabilidade socioambiental do planeta.

No governo interino, no entanto, percebe-se cada vez menos espaço para discussões sobre a necessidade de ampliar as políticas de diversidade na educação, em especial pelo espaço que tem sido dado a grupos conservadores dentro do governo interino. (Ana Luiza Matos de Oliveira, economista/Fundação Perseu Abramo)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…