Pular para o conteúdo principal

Os democratas também são culpados pela morte da democracia


Muita gente morreu entre ontem e hoje na Turquia: a tentativa de golpe militar foi fortemente repelida, tanto pelo aparato governista quanto - espanto, surpresa! - pela população.

Foram horas sangrentas.

Para os brasileiros, afastados milhares de quilômetros dos graves problemas daquele país mezzo oriental, mezzo ocidental, arriscar a vida para defender um governo no mínimo polêmico, sob o qual pesam acusações dos mais variados tipos - corrupção, desrespeito aos direitos humanos, subserviência aos americanos, apoio aos terroristas do EI etc etc - pode parecer uma loucura.

Os turcos que saíram às ruas para combater os golpistas, devem, porém, ter as suas razões para ter feito isso.

Não cabe a nós, que combatemos os nossos golpistas pela internet, com discursos semiacadêmicos, com palavras de ordem ou com manifestações higiênicas e bonitinhas, ousar julgar o povo da Turquia.

Deveríamos, isso sim, refletir sobre como deixamos um bando de picaretas tomar conta de um governo eleito com 54 milhões de votos - apenas 22 milhões a menos do que a população turca.

A falência da democracia brasileira é culpa dos golpistas - políticos, parlamentares, meios de comunicação, amplos setores do Ministério Público e do Judiciário e empresários, sob o patrocínio de uma oligarquia que vive na Idade Média -, mas também daqueles que se calaram, por medo ou conveniência, durante todo o longo processo que culminou no afastamento da presidenta Dilma Rousseff, na perseguição implacável ao ex-presidente Lula e a outros líderes do Partido dos Trabalhadores, e ao cerco às esquerdas em geral e ao PT em particular.

Somos, todos nós que nos dizemos democratas, mais ou menos responsáveis pela morte da democracia no país. (Carlos Motta)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…

O profeta Chico Buarque

Carlos Motta

Que Chico Buarque é um dos poucos gênios da raça, não há a menor dúvida.

Tudo o que ele fez e faz, faz bem.

Isso é fato provado e comprovado.

O que poucos sabem, porém, é que o músico, cantor, letrista, poeta, romancista, teatrólogo etc e tal tem poderes proféticos, como se fosse um Nostradamus tropical, capaz de, 30 anos atrás, prever o que seria o Brasil de hoje, o malfadado Brasil Novo nascido do assalto que a mais cruel, torpe e voraz quadrilha já empreendeu na história da humanidade.

"Vai Passar", na pegada arrebatadora de um samba-enredo, diz tudo sobre este país desafortunado.

Além de prever o seu futuro, explicitado em poucos e ótimos versos:

"Num tempo
Página infeliz da nossa história
Passagem desbotada na memória
Das nossas novas gerações
Dormia
A nossa pátria mãe tão distraída
Sem perceber que era subtraída
Em tenebrosas transações"

Quem sabe, sabe.

Chico Buarque sabe tudo e um pouco mais.

Aí estão, aos olhos de todos, as mais tenebrosas transações que possa…