Pular para o conteúdo principal

O ministério dos sem nomes

Houve um tempo em que, até por dever de ofício, eu sabia o nome de todos os ministros de Estado na ponta da língua.

O número de ministros foi crescendo, mas mesmo assim dava para lembrar a maioria deles, ou os mais importantes, sem nenhum esforço.

Claro que os da Fazenda, Planejamento, Indústria e Comércio, Casa Civil, Saúde, Educação, Cultura, Previdência Social, eram barbada, pois estavam sempre no noticiário, a todo instante a gente tinha de "fechar" (editar) uma matéria sobre eles.

Mesmo afastado das redações mantive esse hábito de considerar os ministros de Estado como parte inseparável do governo central.

Lula sem Mantega, convenhamos, não seria Lula.

Isso tudo mudou neste ano quando os hunos assaltaram Brasília.

Depois disso, passo os olhos pelas notícias e só reparo que existem ministros de Estado nesse governo golpista porque eles fazem questão absoluta de se fazer notar pelo ridículo, pela agressão às mais elementares normas de civilidade, e pela intenção feroz de servir de capachos da mais cruel plutocracia do planeta, a brasileira.

Felizmente, para resguardo da minha sanidade, não sei o nome de nenhum deles.

E tenho a certeza de que a história reservará a eles um lugar merecido - a lata de lixo. (Carlos Motta)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…