Pular para o conteúdo principal

O golpe se consolida. E quase todos se conformam

A cada dia o golpe se consolida mais.

Os autores do crime nem se preocupam em esconder o que fizeram, para eles não há mais a possibilidade de recuo.

Pouco importa que surjam evidências sobre evidências de que o governo interino é formado por um bando de picaretas jamais reunido na história do Brasil, se não da humanidade.

Picaretas e mais: gente intelectualmente despreparada para assumir qualquer função que exija o trabalho de ao menos dois neurônios de seu ocupante.

Tudo de ruim no ser humano está ali no governo do interino usurpador, o dr. Mesóclice.

Mesmo assim, eles furam os semáforos e caminham céleres para se efetivar no poder.

A chamada sociedade civil, ao que se vê, é de uma anemia profunda neste país.

O mesmo pode-se dizer dos partidos políticos de esquerda, se é que eles existem.

A reação ao golpe foi pífia se comparada ao estrago que ele está causando - e vai ainda causar por muito tempo - ao Brasil.

Parece que as pessoas não entenderam a gravidade, para o futuro desta e das próximas gerações, que é deixar esse bando continuar a comandar a economia, a política, as relações e os contratos sociais...

Claro que há muitos inconformados com a situação, mas de que adianta, na prática, se queixar privadamente, ou, quando muito, nos comentários das redes sociais?

De que adiantam essas manifestações, esses protestos limpinhos, assépticos, que volta e meia se fazem por aí, se eles são completamente ignorados pelos seus destinatários e inexistem na mídia?

Do jeito que as coisas estão parece que os brasileiros já se conformaram com o golpe, ou então pouco se importam sobre quem está na presidência da república. 

Ou então, terceira alternativa, querem que o Brasil seja mesmo isso o que apontam todas as tristes evidências que, diariamente, são reveladas pela equipe do dr. Mesóclise: o destino do Brasil é continuar a ser este "gigante bobo", explorado pelos endinheirados do mundo todo, com uma população de analfabetos e idiotas cujas aspirações na vida são comprar produtos de grife, viajar para Miami, comer em restaurantes da moda e ver o mundo pelos olhos da Globo - isso, claro, para uns 10% da população, os privilegiados, porque o restante se ocupará em fazer o trabalho semiescravo que os mantém sobrevivendo.

Que saudade do tempo em que havia alguma esperança... (Carlos Motta)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…