Pular para o conteúdo principal

O dr. Mesóclise está só explorando o terreno

Os dois meses de desgoverno do dr. Mesóclise são apenas um aperitivo do que vem por aí.

É mais do que evidente que o traíra continuará no cargo - ninguém espere que o Senado tenha homens de têmpera diferente daqueles que votaram, na Câmara dos Deputados, pelo impedimento da presidenta.

Por enquanto, tudo indica, o usurpador está apenas tateando o terreno e soltando balões de ensaio para ver até onde pode ir com os contêineres de maldades que despejará na cabeça dos pobres brasileiros assim que deixar de ser interino.

Que ninguém se engane: a missão do dr. Mesóclise é acabar com o tímido Estado de bem-estar social que os trabalhistas estavam montando no Brasil.

Para os patrões do dr. Mesóclise o país tem de voltar a ser o de antes de 2003, com um mercado de consumo de pouco mais de 10% de sua população, que usufruíam os bens e serviços produzidos e providos por uma massa que se conformava com a sua situação, enquanto outros tantos mal e mal conseguiam sobreviver.

Casa grande e senzala - assim era o Brasil de então e que os trabalhistas tentaram mudar, sem promover qualquer ruptura brusca, sem retirar qualquer benefício das chamadas "elites" ou mesmo da classe média, essa mesmo que hoje se mostra incomodada e inconformada por assistir à ascensão social e econômica de alguns milhões de pobres.

Como vivemos numa sociedade completamente dominada pela ideologia dos endinheirados, para os quais a existência de indivíduos informados, com o mínimo de educação formal e capazes de refletir sobre seu papel no mundo, é um enorme risco, pois são eles, afinal, os agentes das mudanças, torna-se imperativo que o desgoverno golpista aperte ainda mais os seus controles repressivos contra quem não está com ele e, assim que puder, imponha a sua agenda de retrocessos, doa a quem doer.

E é claro - vai doer, e muito, na quase totalidade do povo brasileiro.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…