Pular para o conteúdo principal

O alcagueta, esse ser repulsivo

A figura do delator, dedo duro, alcagueta, x-9, boca aberta, bate pau... nunca esteve tão em voga no Brasil como atualmente.

E, incrível, aquela figura que antigamente merecia repulsa de todos, hoje é louvada por juízes, magistrados, promotores, doutores em geral, que os premiam, em espécie e vida fácil, mesmo sabendo que não passam de reles ladrões, bandidos, assaltantes do dinheiro público, marginaizinhos que merecem apodrecer nas nossas luxuosas cadeias.

O alcagueta, esse ser repugnante, foi tema constante de um dos maiores artistas populares do Brasil, o cantor, percussionista e compositor Bezerra da Silva.

Bezerra, como todos sabem, foi o intérprete dos sem voz, das populações das favelas e periferias, do zé povinho que rala muito para sobreviver nesta sociedade injusta.

E para esse povo, o dedo duro foi, é e sempre será um tipo a se evitar.

Bezerra, nos sambas abaixo mostra o que os brasileiros pensam dos alcaguetas. (Carlos Motta)



Dedo Duro

Fecharam o paletó do dedo duro
Pra nunca mais apontar
A lei do morro é barra pesada
Vacilou levou rajada na idéia de pensar
A lei do morro é barra pesada
Vacilou levou rajada na idéia de pensar

A lei do morro é ver ouvir e calar
Ele sabia, quem mandou ele falar
Falou de mais e por isso ele dançou
Favela quando é favela, não deixa morar delator

Fecharam...




Língua de tamanduá

Todo cagoeta é safado e também tem 
instinto de traíra, aí que ele arrumou 
pro nosso irmãozinho, deu de bandeja 
um bom malandro. 

Veja bem o que você fez, 
seu língua de tamanduá 
tem gente pagando pelo que não fez 
só porque o seu dedo não soube apontar 
agora a malandragem já está sabendo 
que você cagoeta e vai lhe ripar 

Você sabe bem, 
a lei que se aplica em qualquer cagoete 
quando seu dedo entra numa anzól 
ele leva rajada ou entra no cacete(2x) 

É e você já sentiu que a rapaziada 
não está lhe aceitando 
porque sua língua nervosa 
tudo o que vê sai falando 

E agora canalha a barra para você pesou 
o seu nome já entrou na lista 
dos condenadoe e a hora chegou, olha aí 
vai levar eco pra deixar de ser delator 
(vai levar eco pra deixar de ser delator) 

Veja bem o que você fez, 
seu língua de tamanduá 
tem gente pagando pelo que não fez 
só porque o seu dedo não soube apontar 
agora a malandragem já está sabendo 
que você cagoeta e vai lhe ripar 

Você sabe bem, 
a lei que se aplica em qualquer cagoete 
quando seu dedo entra numa anzól 
ele leva rajada ou entra no cacete(2x) 

É e você já sentiu que a rapaziada 
não está lhe aceitando 
porque sua língua nervosa 
tudo o que vê sai falando 

E agora safado a barra para você pesou 
o seu nome já entrou na lista 
dos condenados e a hora chegou, olha aí 
vai levar eco pra deixar de ser delator 
(vai levar eco pra deixar de ser delator)... 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…

O profeta Chico Buarque

Carlos Motta

Que Chico Buarque é um dos poucos gênios da raça, não há a menor dúvida.

Tudo o que ele fez e faz, faz bem.

Isso é fato provado e comprovado.

O que poucos sabem, porém, é que o músico, cantor, letrista, poeta, romancista, teatrólogo etc e tal tem poderes proféticos, como se fosse um Nostradamus tropical, capaz de, 30 anos atrás, prever o que seria o Brasil de hoje, o malfadado Brasil Novo nascido do assalto que a mais cruel, torpe e voraz quadrilha já empreendeu na história da humanidade.

"Vai Passar", na pegada arrebatadora de um samba-enredo, diz tudo sobre este país desafortunado.

Além de prever o seu futuro, explicitado em poucos e ótimos versos:

"Num tempo
Página infeliz da nossa história
Passagem desbotada na memória
Das nossas novas gerações
Dormia
A nossa pátria mãe tão distraída
Sem perceber que era subtraída
Em tenebrosas transações"

Quem sabe, sabe.

Chico Buarque sabe tudo e um pouco mais.

Aí estão, aos olhos de todos, as mais tenebrosas transações que possa…