Pular para o conteúdo principal

Inflação menor, recessão maior

O Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística voltou a perder força, confirmando a sua tendência de queda e atingindo 0,35% em junho. Esta queda, tradicional para este período do ano, fez com que o acumulado do IPCA no ano alcance 4,42%, com o acumulado em doze meses recuando para 8,84%. Apesar dos resultados serem melhores do que os observados em junho de 2015, é quase certo que a inflação acumulada em 2016 supere novamente o teto da meta, sobretudo devido a forte influência da alta de alguns preços administrados e o patamar de desvalorização do real vista no inicio do ano.

Inflação Mensal (IPCA)

Fonte: IBGE


Do ponto de vista da composição, o grupo alimento e bebidas segue sendo o que mais pressionou o índice em junho, subindo 0,71% no mês (perante 0,78% em maio) e contribuindo com 0,18 pontos do IPCA total, com destaque para o aumento no preço do feijão (41,78%), leite (10,16%), manteiga (6,36%) e chocolate (5,20%). Outro custo que apresentou desaceleração foi o grupo habitação, que apesar de ainda sentir os efeitos do aumento das tarifas de água e esgoto, passou de 1,79% para 0,63%. A inflação de serviços, por sua vez, segue o caminho de suavização, tendo registrado alta de 0,33% em junho e acumulando elevação de 7,02% nos últimos doze meses. Este indicador é importante, uma vez que a inflação de serviços vinha sendo uma das mais resistentes à queda, sendo muito ligada ao mercado de trabalho (apesar de também sofrer influência de alimentos, no caso de alimentação fora do domicilio). Sua desaceleração é um reflexo da recessão econômica, que atingiu os empregos do setor. 

A mensagem do atual presidente do Banco Central, de que irá perseguir o centro da meta de inflação em 2017, nos leva a crer que a taxa de juros será mantida elevada por mais tempo, pressionando pela valorização da taxa de câmbio como instrumento de combate à inflação. Ao mesmo tempo, o BC deu sinais de que o valor de R$ 3,20 será o piso para a cotação do real, abrindo pouco espaço para este instrumento clássico de queda dos preços. 

Desta forma, apenas a continuidade da recessão em 2017, como recentemente prevista por alguns analistas econômicos, será capaz de trazer a inflação para dentro do centro da meta, ao custo do aumento do desemprego, da queda da renda e da deterioração fiscal do Estado brasileiro. (Guilherme Mello e Igor Rocha, economistas/Fundação Perseu Abramo)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…

O profeta Chico Buarque

Carlos Motta

Que Chico Buarque é um dos poucos gênios da raça, não há a menor dúvida.

Tudo o que ele fez e faz, faz bem.

Isso é fato provado e comprovado.

O que poucos sabem, porém, é que o músico, cantor, letrista, poeta, romancista, teatrólogo etc e tal tem poderes proféticos, como se fosse um Nostradamus tropical, capaz de, 30 anos atrás, prever o que seria o Brasil de hoje, o malfadado Brasil Novo nascido do assalto que a mais cruel, torpe e voraz quadrilha já empreendeu na história da humanidade.

"Vai Passar", na pegada arrebatadora de um samba-enredo, diz tudo sobre este país desafortunado.

Além de prever o seu futuro, explicitado em poucos e ótimos versos:

"Num tempo
Página infeliz da nossa história
Passagem desbotada na memória
Das nossas novas gerações
Dormia
A nossa pátria mãe tão distraída
Sem perceber que era subtraída
Em tenebrosas transações"

Quem sabe, sabe.

Chico Buarque sabe tudo e um pouco mais.

Aí estão, aos olhos de todos, as mais tenebrosas transações que possa…