Pular para o conteúdo principal

Ensino superior e igualdade social

Artigo recém lançado do professor Simon Marginson discute o crescimento em ritmo sem precedentes do ensino superior no mundo, que inclui agora um terço dos jovens em idade universitária. A tendência de crescimento rápido, levando para sistemas de alta participação (ou High Participation Systems, HPS), se espalhou dos países de renda alta e zonas pós-soviéticas para a maioria dos países de renda média e alguns de baixa renda.

Aponta-se que o crescimento é alimentado, principalmente pelas ambições das famílias para avançar ou manter posição social. No entanto, a expansão nem sempre é acompanhada por acesso mais igual a instituições de elite e a qualidade do ensino superior em massa é muitas vezes problemática.

Segundo o autor, em países de renda baixa e média, a expansão do ensino superior não é suficiente para construir uma maior inclusão social. Para o autor, cinco condições podem fortalecer o papel social positivo do ensino superior. 

Em primeiro lugar, se o financiamento do ensino superior é feito em grande parte a partir de fontes públicas: se taxas são cobradas, pode haver exclusão de grupos de renda baixa. 

Em segundo lugar, se a provisão do setor privado  desempenha um papel insignificante como nos países nórdicos ou é estritamente regulada para garantir a inclusão social e a qualidade, como na Coreia do Sul e Japão. 

Terceiro, se a estratificação institucional é modesta: funções de pesquisa e de formação profissional devem ser amplamente distribuídas. 

Em quarto lugar, garantir autonomia das instituições autônomas de famílias poderosas, a fim de maximizar a oportunidade para estudantes de baixa renda. 

Finalmente, se o âmbito da regulação social é estendido para melhorar a equidade na seleção do mercado de trabalho de pós-graduação.

O estudo traz, portanto, importantes pontos para a análise do ensino superior brasileiro, apesar de não falar diretamente do mesmo. 

Em especial, mostra argumentos para o fortalecimento da regulação do setor privado, fortalecimento das instituições de ensino superior públicas, desconcentração de recursos econômicos e humanos no sistema, entre outros, se o objetivo é caminhar para uma sociedade mais justa e com mais oportunidade para os jovens de renda baixa. (Ana Luíza Matos de Oliveira, economista/Fundação Perseu Abramo)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…