Pular para o conteúdo principal

"Empresas dão emprego." Esse Temer é um gênio!

Um primor o press release da Presidência da República sobre a inauguração de uma fábrica de celulose no Paraná.

Destaco um trecho da obra:

"O presidente apontou que a geração de empregos é uma importante função social exercida pela iniciativa privada. 'Quando eu verifico esse empreendimento, eu vejo obediência extraordinária ao texto da Constituição brasileira, porque eu vejo que aqui não se preocuparam apenas em erguer o empreendimento. Preocuparam-se em dar emprego e com o social'. E lembrou que o empreendimento gerará tributos, o que se traduzirá em desenvolvimento para a região."

O nosso vice-presidente em exercício, o fabuloso Dr. Mesóclise, não é mesmo um gênio?

Se não fosse por ele nunca saberíamos, por exemplo, que uma empresa para funcionar depende do trabalho de ... seres humanos!

E mais: uma empresa gera empregos!

E tributos!

Sinceramente, dá vergonha ler um troço desses - vergonha de saber que o Dr. Mesóclise é o que é, ocupa o cargo que ocupa, e que tem gente que divulga esse besteirol.

Segue a íntegra do release - último parágrafo foi publicado assim mesmo, todo empastelado, no site da "Presidência"....


Temer: “Um país forte é um país amparado pela atuação da iniciativa privada”

O empreendimento está gerando 1.500 novos empregos diretos e indiretos. O maior investimento privado da história no Paraná

Ao participar da inauguração da nova unidade fabril da Klabin, nesta terça-feira (28) em Ortigueiras (PR), o presidente em exercício Michel Temer ressaltou o papel fundamental que a iniciativa privada exerce para o crescimento do país. “Eu tenho dito com frequência que a iniciativa privada é quem ajuda o Estado a crescer. Um país forte é um país amparado pela atuação da iniciativa privada”, afirmou.

O empreendimento custou R$ 8,5 bilhões, representa o maior investimento privado da história no Paraná e está gerando 1.500 novos empregos diretos e indiretos. O empreendimento teve apoio do governo federal por meio de financiamento pelo Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

O presidente apontou que a geração de empregos é uma importante função social exercida pela iniciativa privada. “Quando eu verifico esse empreendimento, eu vejo obediência extraordinária ao texto da Constituição brasileira, porque eu vejo que aqui não se preocuparam apenas em erguer o empreendimento. Preocuparam-se em dar emprego e com o social”. E lembrou que o empreendimento gerará tributos, o que se traduzirá em desenvolvimento para a região.

E falando sobre um “movimento de pacificação nacional”, Temer disse que é necessário reunificar o pensamento nacional para que todos se empenhem, aconteceu com iniciativa privada e trabalhadores no caso da nova fábrica, para o crescimento do país. E concluiu: “O Brasil não é apenas um país do futuro. O Brasil é um país do presente, um país que cresce neste momento com este grande empreendimento e que outros seguramente nascerão”.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…