Pular para o conteúdo principal

E lá vai a indústria, descendo a ladeira

Dados da Pesquisa Industrial Mensal (PIM) do IBGE mostram que em maio, após dois meses consecutivos de crescimento, a produção industrial brasileira se manteve estável. No ano, a produção industrial acumulada até maio fechou o período com queda de 9,8% e, em doze meses, recua 9,5%. Na comparação com maio de 2015, a produção caiu 7,8%.

A despeito do crescimento nulo da produção industrial brasileira neste mês, na série livre de influências sazonais, houve aumento de produção em doze dos catorze segmentos pesquisados pelo IBGE. Por um lado, as maiores altas ocorreram respectivamente nos segmentos de outros equipamentos de transporte (9,5%), veículos (4,8%), equipamentos de informática, produtos eletrônicos (4,3%), perfumaria (3,6%) e metalurgia (3,4%). Por outro lado, as quedas mais expressivas foram registradas nos segmentos de fumo (-12,7%), coque, derivados do petróleo e biocombustíveis (-8,2%), e produtos alimentícios (-7%).

Na indústria de transformação, que congrega empregos de melhor qualidade e segmentos mais expressivos em ganhos de produtividade, houve queda de 0,6% no mês. Em doze meses a queda já atinge o montante de 10%. Grande parte desta queda se deve ao desempenho de bens intermediários, que compõem a maior parte da produção nacional.

Categorias da indústria de transformação
Fonte: IBGE – PIM

É importante frisar que diversos estudos seminais mostram que o sucesso de crescimento de países hoje desenvolvidos sempre esteve associado à indústria de transformação como mola propulsora do desenvolvimento econômico. Recentemente o sucesso dos países asiáticos como Coreia do Sul e China são exemplos contemporâneos neste sentido. 

No entanto, no Brasil, após a crise dos anos 1980 houve a adoção de uma estratégia de desenvolvimento no mínimo duvidosa. Desde os anos de 1990 a política macroeconômica tem sido extremamente adversa ao setor produtivo. Altas taxas de juros e constantes ciclos de apreciação cambial têm pautado um ambiente hostil à indústria de transformação. Independentemente de crises, a participação da indústria no PIB tem se reduzido paulatinamente e comprometido o crescimento sustentável da economia. Vivemos atualmente o imperativo desta realidade. (Igor Rocha, economista/Fundação Perseu Abramo)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…