sábado, 9 de julho de 2016

Brasil é bronze entre países que mais matam crianças e adolescentes

O Relatório “Violência Letal Contra as Crianças e Adolescentes do Brasil”, elaborado pela Faculdade Latino-Americana de Ciências Sociais (Flacso), revela que quase 29 crianças e adolescentes foram assassinados por dia no Brasil em 2013. O Brasil ocupa o 3º lugar em homicídios de crianças e adolescentes no contexto de 85 países analisados. 

Causas externas (acidentes de transporte, suicídios e homicídios) vitimaram 689.627 crianças e adolescentes entre 1980 e 2013. Nesse período, os homicídios passam de 0,7% para 13,9% no total de mortes de crianças e adolescentes até 19 anos de idade, acidentes de transporte passam de 2,0% para 6,9% e os suicídios, de 0,2% para 1,0%, enquanto as causas naturais de óbito diminuem de forma contínua e acentuada nas três décadas analisadas. Assim, aumenta a participação das causas externas no total de mortes de crianças e adolescentes.

O número de homicídios de crianças e adolescentes de até 19 anos de idade subiu 19,7% em 10 anos, entre 2003 e 2013, sendo a principal causa do aumento drástico nas causas externas das mortes de crianças e adolescentes. Crianças e adolescentes negros são vítimas de homicídio 178% mais do que brancos.

Os índices de suicídio de crianças e adolescentes no Brasil são relativamente baixos quando comparados a outros países, mas vêm crescendo: em quase todas as idades (excluindo a de 19 anos), as taxas de suicídio aumentaram entre 2003 e 2013. Nota-se que os municípios que aparecem nos primeiros lugares nas listas de mortalidade suicida são locais onde há assentamento indígena.

Quanto a letalidade em acidentes de transporte, o Brasil está entre os quinze primeiros países em um universo de 87 países. A mortalidade de motociclistas é a principal causa de morte por acidentes de transporte da faixa etária e aumentou 1.378,8% entre 1996 e 2013, passando de 113 para 1.671 por ano. (Ana Luíza Matos de Oliveira, economista/Fundação Perseu Abramo)

Nenhum comentário:

Postar um comentário