Pular para o conteúdo principal

BC dá uma força para a recessão

Na noite do dia 20 de julho, o Comitê de Política Monetária (Copom) decidiu  manter, pela oitava vez seguida, a taxa Selic em 14,25% ao ano. A decisão foi unânime, sem viés e veio em linha com as expectativas do mercado. Isso porque Ilan Goldfajn informou, no fim de junho, que buscará atingir a meta central de inflação de 4,5% em 2017. Com base na linha diretiva do Banco Central, tal informação pode ser traduzida em um atraso maior no processo de queda dos juros. 

Em um novo formato para o mercado, o comunicado do Copom informou que “o cenário básico e o atual balanço de riscos indicam não haver espaço para flexibilização da política monetária”. De acordo com o comunicado, a inflação acima do esperado no curto prazo, incertezas quanto à aprovação e implementação dos ajustes necessários na economia e um período prolongado com inflação alta e com expectativas acima da meta podem retardar o processo de desinflação. Logo, no seu entendimento, a manutenção dos juros seria a forma mais rápida de reduzir o patamar da inflação. 

Claramente, a autoridade monetária tenta combater a inflação que se mostrou persistente no ano passado e no início de 2016, sem, no entanto, reconhecer que esta se deu devido ao ajuste de preços administrado. Ou seja, não se trata de uma inflação de demanda, com a qual o atual patamar de juros teria maior efeito. Dada a magnitude da recessão econômica, o atual patamar das taxas de juros dificulta a retomada da economia. Perspectivas de investimentos produtivos são desestimuladas com um rebate negativo sobre o nível de empregos. (Igor Rocha, economista/Fundação Perseu Abramo)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…