Pular para o conteúdo principal

A política serrana não admite opções, só dilemas

Se ainda votasse na capital paulista claro que optaria pela reeleição de Fernando Haddad, prefeito que tenta levar um mínimo de civilização àquela metrópole ingovernável.

Como, porém, meu domicílio eleitoral é Serra Negra, cidade interiorana onde resido há pouco mais de dois anos, posso apenas torcer para que os paulistanos se livrem do vírus da ignorância que os mantêm refém das pragas mais nefastas para o progresso social: a intolerância, o ódio e o preconceito.

Descartado Haddad, como eleitor serrano fico entre o fogo e a frigideira, ou seja, não tenho opções, mas sim um dilema: os pré-candidatos ao cargo de prefeito da cidade são, para não carregar nas tintas, terríveis.

Não há entre os três anunciados nenhum com um perfil minimamente progressista.

São todos representantes da oligarquia local.

O poder político, e por extensão, econômico, de Serra Negra - e de várias outras cidades do interior de São Paulo - é exercido há décadas pela família Chedid, sob o comando do patriarca Jesus, ex-prefeito de Bragança Paulista e da própria Serra Negra, cujo filho Edmir é deputado estadual.

O atual prefeito serrano é um octogenário, recentemente condenado, junto com o vice, à perda do mandato, por improbidade administrativa - está no cargo porque recorreu da sentença.

Ele faz parte do grupo político dos Chedid, donos da única empresa de ônibus municipal da cidade e da que faz o transporte intermunicipal - a família tem outras tantas empresas como essas espalhadas pelo Estado.

A vida política serrana é, assim, como a de tantas outras cidades brasileiras, dominada por "coronéis", exercida e controlada pelos endinheirados, com a maioria do eleitorado votando ou por interesse próprio, para manter empregos públicos ou em troca de favores, e em muitos casos, por grana mesmo, ou simplesmente desinteressada de participar do debate social.

O grupo político dos Chedid se abrigou no DEM, mas a sopa partidária é o que menos conta para esse pessoal - partidos políticos são apenas instrumentos necessários para que viabilizem seus projetos de poder.

O PT na região é praticamente inexistente. 

Tem alguma representatividade em Amparo - o prefeito anterior pertencia ao partido, mas não conseguiu eleger o sucessor -, e até meses atrás contava com dois vereadores em Serra Negra.

Os dois, como tantos outros "petistas", pularam do barco. 

Fazem agora, parte do PR, partido que, entre outros notáveis, tem entre seus quadros, nomes como os de Inocêncio de Oliveira, Alfredo Nascimento, Blairo Maggi, Magno Malta, Anthony Garotinho, César Borges e José Roberto Arruda.

Estão em boa companhia. (Carlos Motta)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…