Pular para o conteúdo principal

A hora é de ressuscitar o MDB

As esquerdas do Brasil são uma tristeza só.

Entra golpe, sai golpe, e elas não aprendem que não adianta brigar entre si por picuinhas, porque é exatamente isso que querem os seus inimigos.

O PT tem problemas éticos?

Claro que sim, da mesma maneira que o PSOL, o PCdoB, o PDT, ou qualquer outra organização.

O PT errou em sua trajetória?

Sem dúvida, muitas vezes, mas atire a primeira pedra...

A questão fundamental que se apresenta hoje à sociedade brasileira não é como construir um Estado dos trabalhadores, chegar ao socialismo, mas sim derrotar os golpistas, que estão instalando um governo cleptocrata, assaltando à luz do dia, sem nenhum pejo, os cofres públicos, e transformando o país em terra arrasada.

Mas como será possível vencer um inimigo tão forte se a tropa que a ele resiste não tem comando único, age sem preparo, prescinde da tática e da estratégia, não tem coesão interna, se atrita por qualquer coisa?

Os mais velhos, como eu, lembram que na época da ditadura militar existiam apenas dois partidos políticos, a Arena, do governo, e o MDB, contra o governo.

Quem era a favor dos militares votava na Arena; quem era contra, no MDB.

No Brasil de hoje existem mais de 30 agremiações partidárias, talvez uma dezena que se dizem de esquerda, que vão desde grupelhos que mais parecem seitas religiosas, até outras formadas por um caldo ideológico ralo e diversificado.

Ou seja, há esquerdas para todos os gostos.

Nada mais normal que em tempos também normais elas disputem o eleitor com todas as armas possíveis.

O problema é que o Brasil não vive tempos normais, que, portanto exigem decisões fortes, extremas, radicais.

Como, por exemplo, unir as esquerdas contra o inimigo comum, deixar de lado, pelo menos por enquanto, as questões ideológicas e os velhos ressentimentos, e agir como uma força única, para delimitar claramente, aos olhos da população, quem é a favor e quem é contra a democracia.

Quem está do lado dos golpistas e quem é contra eles.

Agora, tem de ser MDB contra Arena, simples assim. (Carlos Motta)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…