Pular para o conteúdo principal

Varejo ajuda a criar crise, depois demite para não reduzir lucro

Release da Sociedade Brasileira de Varejo e Consumo diz que o comércio varejista brasileiro "foi intensamente afetado pelo que culminou no atual cenário econômico" e que o setor, "responsável por cerca de 19 milhões de empregos no país",  demitiu 190 mil funcionários no ano passado. 

"Um dos motivos foi o volume de vendas que fechou 2015 com retração de 8,6% em relação a 2014, de acordo com o IBGE", informa o release, para em seguida pintar o apocalipse: "O cenário que se desenha é uma reação em cadeia, ou seja, as altas da inflação e dos juros levaram à queda de confiança do consumidor que passou a comprar menos pelo momento incerto." 

O release continua a sua descrição do caos no setor:

"A queda nas vendas levou à uma atitude esperada por parte das redes, ou seja, o fechamento de unidades. Entre 2014 e 2015 houve um aumento de 52% no número de lojas fechadas. Ao todo, mais de 130 mil pontos baixaram as portas."

Empresários são por natureza chorões.

Reclamam de tudo, nada nunca está bom, tudo precisa melhorar - e eles, invariavelmente, não têm culpa por fracassarem.

No caso dos varejistas, além da crise que obviamente prejudicou suas vendas, eles poderiam destacar que pouco ou nada fizeram para enfrentar a queda no faturamento - promoções, descontos, preços mais baixos, por exemplo.

E também escondem o fato de que, como a Riachuelo e o Habib's, entre muitos outras redes, foram fator determinante para que a crise assumisse, pelo menos na cabeça das pessoas, proporções catastróficas.

Em outras palavras - eles apoiaram o golpe, foram peça importante na conspiração, ajudaram a disseminar entre a sociedade a percepção de que o Brasil estava se dissolvendo graças aos malditos petistas.

E são tão cínicos que nem escondem que demitir, para eles, é uma medida absolutamente normal, como o próprio release destaca:

"De acordo com a análise de Eduardo Terra, presidente da SBVC, o momento é de readequação. 'Encerrar a atividade de alguns pontos é a alternativa que muitas redes encontraram para manter a rentabilidade da rede ou não perder tanto em faturamento. Em épocas de redução de despesas não faz sentido ter abertas unidades que não se pagam", destaca o especialista em varejo."

Ou seja: nem passa pela cabeça desses patriotas reduzir sua margem de lucro. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…