Pular para o conteúdo principal

Plebiscito? Vamos cair na real...

Depois do "Fora Dilma" e do "Fora Temer" agora é a vez do "plebiscito já".

A consulta popular, segundo vários analistas, é uma espécie de panaceia que vai curar os males, imensos, de nosso sistema político e, principalmente, vai conseguir a proeza de fazer o país sair do buraco em que se encontra.

A presidenta Dilma é adepta da tese de que um plebiscito sobre se a sociedade quer ou não eleições é o caminho ideal para a superação da crise.

Dizem que ela está articulando a fórmula com um grupo de senadores - um grupo que pode impedir quer o seu impedimento no cargo presidencial prospere.

Resta saber se os outros parlamentares, a maioria que aprovou o processo de impedimento, aquele pessoal que usa o Congresso como um balcão de negócios - e nem mais disfarça seu uso como armazém de secos e molhados -, estão de acordo com a proposta.

Talvez até topem, se a eleição a ser referendada for apenas para presidente da República.

Mas neste caso, o que o pleito mudaria na vida da nação, o que um novo presidente que não seja Dilma ou o dr. Mesóclise pode fazer, se o Congresso permanecer essa mesma porcaria que nos faz ter ânsias de vômito permanentes?

E de que adiantaria mudar todos os nomes de vereadores, prefeitos, deputados estaduais e federais, governadores, senadores e presidente da República, se a legislação que permite o financiamento privado da campanha eleitoral e a criação de partidos como se fossem clubes de futebol não for alterada?

Vamos cair na real.

O Brasil vive a sua mais séria crise institucional desde há dezenas de anos.

Não há fórmula mágica para que saia do atoleiro.

Pelo menos com esses atores que estão aí, protagonizando essa tragicomédia que arrasta a nação para o precipício.  (Carlos Motta)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…