Pular para o conteúdo principal

O salvador da pátria

De repente, não mais que de repente, surgem, aos borbotões, livros laudatórios ao juiz lava-jato. 

E dê-lhe lançamentos, noites de autógrafos, fotos em profusão do dito cujo nos jornalões, em colunas de conveniência espalhadas pela internet, como se fosse uma megacampanha publicitária.

Mais estranho ainda que, em meio a toda essa movimentação, surjam informações de que o meritíssimo, agora figura exponencial na sempiterna campanha pela moralização dos usos e costumes nativos, pretende se candidatar, nada mais, nada menos, à Presidência da República.

Notas ainda camufladas na selva internética dão conta que ele já ocupa a primeira posição nas intenções de voto dos eleitores - se a eleição fosse hoje.

Como não é...

Como não é, resta ao magistrado continuar a sua caça implacável aos corruptos de um só partido político, resta perseverar na campanha de destruição de algumas das mais importantes empresas do país - inclusive a Petrobras, a joia da coroa -, resta aprofundar nas pessoas a convicção de que a classe política é visceralmente criminosa - e que, por consequência, só os homens de bem salvarão o Brasil.

Os homens de bem, sim, mas especialmente aqueles que têm o poder de botar na cadeia os homens maus.

E quem seria o personagem ideal para essa missão hercúlea, se não ele próprio, o responsável pela revolução moralizadora neste imenso, pobre e ignorante país? (Carlos Motta)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…