Pular para o conteúdo principal

O nosso subdesenvolvimento mental...

O golpe segue e joga à luz do dia uma clara demonstração do nosso subdesenvolvimento mental. 

Digo nós, brasileiros. 

E disso não escapam muitos daqueles que se dizem esclarecidos e bem informados. 

Dia após dia, o governo do golpe nos apresenta medidas inspiradas nos cânones econômicos dos anos 80/90, que foram disseminados sob os chapéus do neoliberalismo e do consenso de Washington. 

Cânones que levaram o mundo à crise econômica de 2007/2008, da qual a humanidade ainda não conseguiu sair. 

E que desembocaram na desilusão dos ingleses que votaram para ficar de fora da União Européia. 

O colapso do comunismo real no fim dos anos 80 e a queda do muro de Berlim deixaram o capitalismo sem inimigos, livre, leve e solto para ser comandado pelas lideranças financeiras e multinacionais em todo o mundo. 

Com os movimentos de esquerda sem rumo com a morte das utopias de uma sociedade fraterna e justa, o neoliberalismo fez os ricos mais ricos e os pobres mais pobres. 

O Estado de bem estar social, que nós brasileiros tanto admiramos na Europa desenvolvida, se transformou em uma ameça sob a ótica neoliberal. 

A classe média, aquela que é sempre a mais facilmente manipulada pela propaganda enganosa de um dia se equiparar aos ricos, aos poucos foi vendo seu poder de compra (e de ilusão de felicidade) se desgastar. 

E hoje ela é o exemplo vivo do lado vil do "capetalismo" dos últimos 30 anos: o individualismo e o consumismo. 

Quando uma sociedade se torna essencialmente individualista e consumista, ela só consegue enxergar o outro como ameaça. 

Os ingleses que o digam com o seu voto recente. 

Aqui no nosso país, diante da nossa imensa incapacidade cognitiva para ler a realidade, da nossa estúpida arrogância de não aprendermos com nossos erros e com nossa história, do atraso intelectual, ético e histórico de nossas elites, da nossa triste ausência de racionalidade em meio a crenças e preconceitos obscurantistas, assistimos ao governo golpista retomar os cânones que levaram e levam a humanidade à breca.

Já leu "Ensaio sobre a cegueira", do Saramago? 

Então... (Mario Rocha, jornalista)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…