Pular para o conteúdo principal

O dr. Mesóclise preside um clube, não o país

Quem faz da política a sua profissão depende, mais do que qualquer outra coisa, das relações e do contato permanente com outras pessoas - político precisa, essencialmente, de votos. 

Partindo desse pressuposto, o que se vê hoje no país é algo sui generis: um presidente da República sem votos, que recusa o contato com a população e vive enclausurado, cercado de seguranças, em suas residências em São Paulo e Brasília.

Há quem diga que o dr. Mesóclise é um excelente articulador.

Deve ser, e somente isso explica como chegou à presidência do PMDB e à vice-presidência da República, já que, como político nunca ultrapassou o grau da mediocridade.

Há uma diferença enorme entre ser um obscuro deputado, eleito graças ao coeficiente eleitoral, que trafega com desenvoltura nos subterrâneos da Câmara, costura apoios e pactos aqui e ali, presta favores, e um presidente da República, que não só é obrigado a mesclar a atuação de político com a de administrador, mas tem a necessidade de sentir, dia a dia, o pulso da sociedade nas questões mas abrangentes possíveis.

Dilma Rousseff, ao contrário de seu antecessor, e como o dr. Mesóclise, também não é uma figura carismática, não domina a arte da oratória, mas, ao menos, nunca se absteve de se expor ao público - comportou-se no cargo como deve se comportar um presidente da República.  (Carlos Motta)

Recente pesquisa mostrou que a popularidade do dr. Mesóclise, em início de governo, é igual à de Dilma, que sofreu o mais pesado bombardeio dos meios de comunicação da história do Brasil.

E isso sem que a população tenha sentido o efeito, inevitável, das medidas anunciadas pelos golpistas, que pretendem reduzir a pó o incipiente Estado de bem-estar social criado pelos trabalhistas.

O mais impressionante neste momento trágico é a atitude dos golpistas - presidente, ministros, parlamentares -, que acreditam que podem governar o país completamente isolados da sociedade, como se estivessem num clube exclusivo e elitista - ou tocando os negócios de um armazém de secos e molhados.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…