Pular para o conteúdo principal

Dieese pinta um quadro negro do Brasil atual

O Boletim de Conjuntura do Dieese de junho, "Retração da Economia em 2016 Aprofunda Deterioração do Mercado de Trabalho", mostra os motivos que levaram o país à recessão, os números que demonstram a queda da atividade, e um diagnóstico sombrio do momento atual:

"O país está diante de uma situação bastante desafiadora, para se dizer o mínimo. Um quadro internacional adverso, muita incerteza no âmbito político interno, brutal reorientação da atuação estatal, contas públicas debilitadas e um segundo ano de forte retração da atividade econômica.

Adicionalmente, continuam em curso projetos com elevado impacto negativo sobre os direitos dos trabalhadores e sobre as perspectivas de promoção de um processo de desenvolvimento inclusivo. 

Vale citar, por exemplo, a regulamentação da terceirização, o projeto da prevalência do “negociado sobre o legislado”, o avanço do projeto que flexibiliza o conceito de trabalho análogo à escravidão e o que altera regras relativas ao papel da Petrobras como operadora única na exploração das jazidas do pré-sal. 

Nesse ambiente, os trabalhadores e suas famílias, que têm sofrido há algum tempo com o desemprego e a queda dos salários, vão provavelmente ter que lidar com a piora nas condições de funcionamento do mercado de trabalho brasileiro e das políticas públicas (de educação, saúde, moradia, assistência, previdência). 

O alívio trazido pela queda na inflação não será suficiente para compensar a alta que deverá acontecer no nível de desemprego e a deterioração das condições para a realização das negociações coletivas. 

Além disso, adentra-se em um período de potenciais mudanças de ordem estrutural nas relações de trabalho no país. São alterações que podem mexer em regras vigentes desde a primeira metade do século passado.

Muitas dessas mudanças têm sido justificadas pela atual conjuntura econômica que, em boa medida, relaciona-se a uma crise mais geral do capitalismo mundial. 

Essas justificativas, no entanto, são indevidas, pois o ônus dos ajustes não atinge igualmente toda a sociedade. São os trabalhadores e as classes de rendas mais baixas que acabam suportando todo o peso dos ajustes."

A íntegra do documento pode ser acessada aqui.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…

O profeta Chico Buarque

Carlos Motta

Que Chico Buarque é um dos poucos gênios da raça, não há a menor dúvida.

Tudo o que ele fez e faz, faz bem.

Isso é fato provado e comprovado.

O que poucos sabem, porém, é que o músico, cantor, letrista, poeta, romancista, teatrólogo etc e tal tem poderes proféticos, como se fosse um Nostradamus tropical, capaz de, 30 anos atrás, prever o que seria o Brasil de hoje, o malfadado Brasil Novo nascido do assalto que a mais cruel, torpe e voraz quadrilha já empreendeu na história da humanidade.

"Vai Passar", na pegada arrebatadora de um samba-enredo, diz tudo sobre este país desafortunado.

Além de prever o seu futuro, explicitado em poucos e ótimos versos:

"Num tempo
Página infeliz da nossa história
Passagem desbotada na memória
Das nossas novas gerações
Dormia
A nossa pátria mãe tão distraída
Sem perceber que era subtraída
Em tenebrosas transações"

Quem sabe, sabe.

Chico Buarque sabe tudo e um pouco mais.

Aí estão, aos olhos de todos, as mais tenebrosas transações que possa…