Pular para o conteúdo principal

Brasil cai em ranking de países mais influentes

Os Estados Unidos ainda são a maior potência mundial não só pelo seu poderio econômico e bélico, mas pelo que se denomina de "soft power", o poder que a cultura, diplomacia e valores sociais de um país tem para influenciar os outros.

Índice divulgado pela empresa de relações públicas britânica Portland Communications aponta os Estados Unidos como o 1º no ranking das nações mais fortes em soft poer, seguida pelo Reino Unido e Alemanha. 

O Brasil caiu uma posição e ocupa o 24º lugar.

Segundo os responsáveis pela pesquisa, o queda do Brasil se deve à governabilidade e educação, apesar da existência de “muitas ferramentas de soft power e de uma série de oportunidades para desenvolvimento” no país.

O ranking foi feito, obviamente, antes que os ratos tomassem conta do governo federal.

Com Serra de chanceler, é provável que o país nem mais figure entre os 30 mais influentes do mundo.

A lista anual publicada pela Portland Communications se baseia em índices de desenvolvimento de tecnologia da informação, cultura, ambiente de negócios, educação, governo e engajamento do país na resolução de problemas globais, bem como leva em conta pesquisas de opinião pública realizadas em todo o mundo.

A lista dos 30 países mais influentes é a seguinte:

1. Estados Unidos       77,96
2. Reino Unido           75,97
3. Alemanha              72,60
4. Canadá                  72,53
5. França                   72,14
6. Austrália                69,29
7. Japão                    67,78
8. Suíça                     67,65
9. Suécia                   66,97
10. Holanda               64,14
11. Itália                   63,79
12. Espanha               63,47
13. Dinamarca           62,57
14. Finlândia             62,13
15. Noruega               61,64
16. Nova Zelândia      61,51
17. Áustria                 60,99
18. Bélgica                59,70
19. Singapura            58,09
20. Irlanda                 57,02
21. Portugal               51,79
22. Coreia do Sul        51,44
23. Polônia                 48,07
24. Brasil                    47,69
25. Grécia                   46,98
26. Hungria                 46,96
27. Rússia                   46,58
28. China                    45,07
29. República Tcheca   44,43
30. Argentina              44,17

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…