Pular para o conteúdo principal

Aumento da taxa de água em SP joga inflação nas alturas

Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostram que a inflação medida pelo IPCA teve aumento de 0,78% no mês de maio. Na serie histórica o mês de maio deste ano registrou o maior aumento do índice desde 2008, quando ficou em 0,79%. No acumulado do ano, a inflação já atinge 4,05%. No ano passado, para o mesmo período, tal número estava em 5,34%. Em uma análise dos últimos 12 meses, a taxa foi para 9,32%, ficando acima dos 9,28% referente ao mesmo período sem o presente mês. Em maio de 2015 o IPCA havia apresentado uma variação de 0,74%.

É importante destacar que este resultado do IPCA se deu particularmente devido a taxa de água e esgoto, do grupo Habitação (1,79%), se destacou pela alta de 10,37%, sendo o com maior contribuição individual no mês, ou seja, com 0,15 p.p.. A região metropolitana de São Paulo exerceu forte pressão sobre o índice dado que a variação nesta região atingiu 41,90%, especialmente devido ao fim do Programa de Incentivo à Redução do Consumo de Água, cancelado pela Deliberação n° 641 da Agência Reguladora de Saneamento e Energia do Estado de São Paulo (ARSESP), de 30 de março de 2016. A despeito do fim da concessão de bônus por redução e de ônus por aumento de consumo de água, que vinha sendo praticada pelo Programa, o reajuste de 8,40% implementado em 12 de maio sobre o valor das tarifas foi um fator decisivo no aumento do índice. 

É diante desse cenário que a manutenção da Selic em 14,25% vai em linha com a diretiva do BC de "circunscrever" o IPCA aos limites estabelecidos pelo Conselho Monetário Nacional (CMN) em 2016 particularmente via utilização dos juros. O Copom decidiu manter a taxa Selic em 14,25% ao ano, sem viés e por unanimidade, como era amplamente esperado. O comunicado foi igual ao apresentado na reunião de abril e mostra novamente a falta de entendimento da dinâmica econômica frente ao atual nível da recessão. Como destacado, a inflação não cedeu no presente mês, sobretudo devido ao impacto de um preço administrado. O atual patamar de juros seria justificável somente em uma situação de forte inflação de demanda. Dado que parece um contrassenso esperar uma forte demanda em um ambiente recessivo, tal política monetária tende a agudizar a crise econômica e solapar a retomada do crescimento econômico. Nas próximas reuniões, já com a nova diretoria do Banco, é de se esperar ainda a mesma estratégia para trazer a inflação para o centro da meta de 4,5%, e não somente ao teto da mesma. Mais um erro esperado. (Igor Rocha, economista/Fundação Perseu Abramo)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…