Pular para o conteúdo principal

Um filme, uma ficção, um caso real

Esboço de um roteiro para um filme que mistura drama, comédia, suspense e ação:

Numa cidadezinha lá onde Judas perdeu as botas, o grupo político dos homens de bem, formado pelo juiz, promotor, delegado de polícia, advogado, padre, fazendeiro, dono da quitanda, dono do jornal e o da fábrica de pregos, acha que chegou a hora de dar um basta no governo daquela prefeita comunista, que só pensa em ajudar os pobres e se esquece que sem os ricos este nosso mundo não seria o que é.

Assim, para resolver o problema de vez, chamam um dos vereadores, testa de ferro do grupo em muitos negócios suspeitos, um sujeito violento que se elegeu na base da compra de votos, ameaças a eleitores e, muitas vezes, na porrada mesmo, para fazer o "serviço".

Se bem feito, dizem os homens de bem da cidadezinha, ninguém irá acusá-lo de nada.

E se acusarem, o juiz, o promotor, o delegado, o advogado e até o padre vão mexer uns pauzinhos para que ele escape sem problema nenhum da confusão.

Serviço feito, a prefeita comunista agora descansa eternamente a sete palmos debaixo da terra.

O diz que diz foi enorme e estava ficando ruim para o grupo dos homens de bem, que acionam rapidamente o plano concebido desde que a comunista tomou posse na Prefeitura: mandam prender o vereador sob a acusação de ter assassinado a prefeita.

O indigitado chiou, jogou merda no ventilador, acusou todo mundo, mas como duvidar do que dizem um juiz de direito, um promotor, um delegado de polícia, um padre, um fazendeiro, um negociante e um industrial - todos homens de bem?

Sem contar as manchetes do jornal...

Conclusão: o matador é condenado, o vice-prefeito, que ninguém sabia, mas fazia parte do grupo dos homens de bem, assume o cargo da comunista e a ordem é restabelecida na cidadezinha.

E depois do letreiro de The End aparece a frase que livra os produtores do filme de eventuais problemas: "Esta é uma obra de ficção e qualquer semelhança com fatos ocorridos é mera coincidência."

Como se diz por aí, o mundo é dos espertos.  (Carlos Motta)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…