Pular para o conteúdo principal

TV Brasil vive macartismo

A jornalista Tereza Cruvinel foi a primeira presidenta da EBC, responsável pela TV Brasil, criada no governo Lula para funcionar nos moldes, por exemplo, de uma BBC, ou seja, como uma TV pública, não de um governo, mas do Estado brasileiro, a serviço da sociedade.

Reproduzo abaixo artigo seu, que conta, rapidamente, o que está acontecendo hoje na TV Brasil, tomada de assalto, assim como o poder central, por golpistas da extrema direita.

Ela resume com apenas uma palavra o que se passa na empresa: macartismo.

O artigo:

Há dois meses vivi uma estranha experiência. Eu entrava na EBC, empresa que implantei e presidi por quatro anos, contratada como entrevistadora e comentarista. Muitos reencontros, abraços, recordações. Estava ali em outro papel, desencarnada do passado. Finalmente faria jornalismo na TV Brasil, o que não pude quando era presidente. Mal cheguei, na voragem da crise veio a posse de Temer, a violação do mandato do diretor-presidente Ricardo Melo e a nomeação de outra diretoria. Ontem, vestida para gravar Palavras Cruzadas, fui informada por Paulo Markun, âncora do programa, de que estava dispensada pela nova direção. Poderia apenas gravar o programa marcado. Se era assim, melhor não gravar, disse ao Markun, que concordou.

O fato de ter sido presidente não diferencia a minha dispensa (contrato de pessoa jurídica,  por isso não falo em demissão)  das dezenas de exonerao ções que estão sendo feitas na EBC. Sempre sem falar com as pessoas, que ficam sabendo pela rádio corredor ou pelo substituto.  Está havendo uma tomada violenta da empresa e não posso deixar de dizer isso. Há um mandado de segurança não julgado ainda pelo STF. Dirigentes não tiveram seus nomes homologados pelo Conselho de Administração mas seguem cortando cabeças, perguntando quem são os petistas, quem é militante, quem é ligado a quem... Macartismo.

Diferente foi para mim, apenas para mim, a experiência de ser demitida pela empresa que me coube, juntamente com dezenas de outras pessoas comprometidas com a comunicação pública, para gerir um sistema público de comunicação que o Brasil nunca teve. Não para servir  à luta política que está em curso, fazendo o Brasil em cacos.  Neste curto período, comentei manifestações contra e a favor do impeachment, todas transmitidas ao vivo pela TV Brasil.  Participei de entrevistas com gente de um lado e outro. Jorge Viana (PT) e Aloisio Nunes Ferreira (PSDB).  Edinho Silva (PT) e Gilberto Kassab (PSD), por exemplo. Não me venham com esta conversa de que a TV Pública estava a serviço de um grupo, partido ou ideia. Estava fazendo o jornalismo como deve ser e como não tem sido feito.

Eu, que passei quatro anos sendo chamada de gerente da TV do Lula, quero que assumam o projeto de fazer a TV do Temer.   

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…