Pular para o conteúdo principal

Por que os interinos não tornam a corrupção um direito de todos?

Entre a série de intenções do governo do Brasil Novo, anunciadas sofregamente pelos neoministros, faltou uma, cujo anúncio talvez o presidente interino esteja guardando para si, tamanha a sua importância: seria conveniente, para o bem de todos, acrescentar, em algum artigo da Carta Magna, que a corrupção é um direito absoluto de todo e qualquer cidadão brasileiro.

Afinal, se o exemplo vem de cima, nada mais justo que o digno ato de corromper ou ser corrompido, de subornar ou ser subornado, seja estendido a todos nós.

Se eles podem, por que nós não podemos?

Levar a todos os brasileiros a percepção de que a corrupção, em qualquer escala ou circunstância, é extremamente salutar para o funcionamento das instituições nacionais, tem sido, até o momento, o feito mais notável dos interinos.

Se antes existia alguma dúvida de que a corrupção era um corpo estranho, ou melhor, indesejável, execrável até, em nossa sociedade, a turma do Brasil Novo chutou essa interrogação para bem longe.

Espera-se agora que o interino convoque, com a máxima presteza, os fieis amigos da imprensa para, numa das confortáveis salas do palácio brasiliense em que se entrincheirou, anunciar a grande realização de seu governo: tornar a corrupção disponível a todos os brasileiros, sem distinção de raça, credo religioso, gênero, preferência sexual ou de time de futebol.

Quem sabe assim a economia não reaja...  (Carlos Motta)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…