Pular para o conteúdo principal

O golpe e a luta de classes

Para o presidente do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), Jessé Souza, o processo de impeachment contra a presidenta Dilma Rousseff não possui legitimidade e só foi viabilizado por um sentimento de revolta de determinadas classes sociais.

“Eu não acho esse processo legítimo. Esse processo tem a ver com um processo de acirramento de luta política e essa luta política é sempre uma luta de classes”, analisou, depois de sair de um encontro com a presidenta Dilma Rousseff, no Palácio do Planalto.

Souza acredita que a ascensão econômica de classes sociais mais pobres nos últimos anos causou um certo desconforto em determinados setores da classe média, como ficou comprovado, segundo ele, nos eventos conhecidos como “rolêzinhos” em shoppings centers. Segundo o presidente do órgão, esse sentimento de incômodo potencializou a insatisfação com o atual governo.

“A classe média estava incomodada com isso, não só pela divisão de classes, mas também por um medo irracional de que essas classes pudessem competir pelos privilégios e empregos com a própria classe média”, avaliou.

Segundo ele, esse sentimento acabou gerando uma espécie de aliança entre elites minoritárias e esses setores, transformando a raiva dos mais pobres em uma forma de coragem cívica, como se houvesse uma defesa do bem comum. “Isso se deu por uma manipulação econômica, política e midiática. Isso criou uma base social para esse golpe. É obviamente um ‘golpe branco’ porque não tem a intervenção das forças militares, mas ele representa uma articulação ativa do Legislativo e ativa do Judiciário por omissão”, disse.

“O que é extremamente problemático nisso é que, dentro de todos os poderes constituídos, o Executivo é aquele que tem verdadeira relação com a soberania popular, que é a base de toda a democracia. Ou seja, a base de tudo que a nós chamamos lei, justiça, economia, política. A única base que dá legitimidade do que nós chamamos de democracia e do acordo societário que significa o voto popular, a soberania popular, expressa no voto”, afirmou Souza.

Na sua avaliação, como a quantidade de votos que elege deputados e senadores é relativamente pequena quando comparada com o número total dos cargos executivos, o Poder Legislativo acaba se tornando, de certa forma, fragmentado, situação que deveria ser enfrentada em uma reforma política. “Os dois outros poderes são menos representativos, e podem retirar exatamente o único poder que na história brasileira, no fundo, representa os anseios populares”, analisou. (Do site do Ipea)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…

O profeta Chico Buarque

Carlos Motta

Que Chico Buarque é um dos poucos gênios da raça, não há a menor dúvida.

Tudo o que ele fez e faz, faz bem.

Isso é fato provado e comprovado.

O que poucos sabem, porém, é que o músico, cantor, letrista, poeta, romancista, teatrólogo etc e tal tem poderes proféticos, como se fosse um Nostradamus tropical, capaz de, 30 anos atrás, prever o que seria o Brasil de hoje, o malfadado Brasil Novo nascido do assalto que a mais cruel, torpe e voraz quadrilha já empreendeu na história da humanidade.

"Vai Passar", na pegada arrebatadora de um samba-enredo, diz tudo sobre este país desafortunado.

Além de prever o seu futuro, explicitado em poucos e ótimos versos:

"Num tempo
Página infeliz da nossa história
Passagem desbotada na memória
Das nossas novas gerações
Dormia
A nossa pátria mãe tão distraída
Sem perceber que era subtraída
Em tenebrosas transações"

Quem sabe, sabe.

Chico Buarque sabe tudo e um pouco mais.

Aí estão, aos olhos de todos, as mais tenebrosas transações que possa…