Pular para o conteúdo principal

O bom negócio da traição

Nestes tristes tempos em que as traições se desnudam, desavergonhadas, nada mais lógico que os empreendedores se aproveitem das benesses oferecidas pelo capitalismo e façam desse odioso expediente um negócio como outro qualquer.

A traição está na moda, como se vê pelo comportamento do vice-presidente da República, que graças a esse expediente, chegou lá, no tão ambicionado Palácio do Planalto.

Se para o ex-vice decorativo a traição foi um meio de assumir um cargo que a sua mediocridade nunca permitiria desfrutar, para outras pessoas a traição é tão somente um bom negócio, como demonstram as espertalhonas que criaram o site Gleeden, concebido para arranjar encontros extraconjugais e que, segundo release distribuído pela empresa, vê amplas possibilidades de obter sucesso no Brasil:

Mesmo que a infidelidade ainda seja considerada como um assunto tabu, homens e mulheres estão admitindo cada vez mais já terem passado para além da linha do adultério. Gleeden, o líder europeu dos encontros extraconjugais conta com mais de 3 milhões de membros e decidiu se estender pelo mundo. Concebido por mulheres para mulheres, este site made in Europe se instala no Brasil e tem como premissa ser a melhor alternativa para as pessoas que sonham com aventuras extraconjugais!


Lançado em dezembro de 2009 na Europa, o site atende uma verdadeira demanda, propondo um site comunitário onde os membros podem assumir, sem hipocrisia, seus desejos de encontros. Desde o seu lançamento, o sucesso do site foi de forma exponencial.

O site foi criado por uma equipe 100% feminina e é direcionado principalmente às mulheres. Graças a seu design limpo e a recursos especialmente desenvolvidos para elas, elas que tomam as rédeas! E elas confiam cada vez mais no Gleeden para escutar suas vontades e quebrar a rotina. Mesmo se os homens também escolhem o site como o lugar deles, o site conta com um número de usuárias de fazer inveja a outros sites de encontro (40% de membros do sexo feminino).

O sucesso do Gleeden pode se parecer ao do gigante Ashley Madison, que dominou durante muito tempo o, o mercado d ramo dos encontros entre pessoas casadas. Portanto, os fatores de sucesso são diferentes. Apostando na discrição acima de tudo, o Gleeden não se promove muito, mas constrói o seu sucesso com a confiança dos seus membros. Desde o começo, o site de encontros aposta em uma comunidade de qualidade: difícil de obter o seu ingresso de tanto que a equipe de moderação é intransigente. Uma estratégia que funciona, pois a quantidade de membros que desejam fazer parte da comunidade Gleeden não para de crescer.

Após o sucesso do Gleeden na França e no resto da Europa, a sua chegada ao Brasil é apenas uma continuação lógica do seu crescimento internacional. Esta plataforma de encontros extraconjugais atenderá diversas pessoas que desejam aventuras. Os curiosos e curiosas podem acessar o Gleeden ou baixar o aplicativo móvel de encontros com toda discrição.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…