sábado, 28 de maio de 2016

Eleições antecipadas? Só se forem gerais

Muitos pedem eleições presidenciais para o país sair do atoleiro em que se encontra.

Dizem que nem o Sr. Mesóclise, nem a presidenta Dilma, têm condições de pacificar os ânimos políticos e inspirar uma retomada do crescimento econômico.

Para esses, a melhor saída é antecipar as eleições presidenciais de 2018.

A solução seria até discutível se essas eleições fossem gerais - ou seja, não só para a Presidência, mas para o Congresso e o Senado, Executivo e Legislativo.

Sem isso, qual seria o destino do presidente eleito, mesmo que fosse por esmagadora maioria, se não continuar refém do pior Congresso da história do Brasil - um Congresso que expôs toda a sua insignificância intelectual, moral e ética na votação pela admissibilidade do processo de impedimento presidencial?

Além das eleições gerais, para que a medida tivesse o mínimo de possibilidade de dar certo, o financiamento privado de campanha teria de ser proibido, e os candidatos teriam de dispor de tempo suficiente para expor seus programas de governo, sem artifícios de marketing, em diversos debates, no olho a olho, sem maquiagem nenhuma.

É mais que evidente que a maioria dos parlamentares iria rejeitar uma proposta dessas, por razões mais que óbvias.

E mesmo se tudo isso ocorresse, não haveria garantia nenhuma de que os novos presidentes e Congresso conseguiriam tirar o país do lamaçal que vai, inexoravelmente, tragar toda a sua população.

Isso porque sempre haverá, para sabotar quem tiver uma pauta mais progressista, o trabalho insidioso da mais desqualificada, reacionária e brutal elite econômica do planeta.

Alcançar a democracia, como se vê, é uma missão quase impossível.

Nenhum comentário:

Postar um comentário