Pular para o conteúdo principal

Cultura é tudo que os usurpadores não têm

Quando tinha 16 anos fui convidado pelo pessoal do Jornal da Cidade, de Jundiaí, onde morava, para participar de uma entrevista com um secretário municipal, de obras, se a memória não falha.

O convite veio porque eu era presidente do grêmio estudantil do Instituto de Educação Experimental Jundiaí e o jornal queria que essas entrevistas fossem feitas não só por jornalistas, mas por outras pessoas da comunidade.

Essa entrevista foi muito importante para mim porque depois dela recebi um convite para cobrir as férias do saudoso Ademir Fernandes, que era o encarregado da seção de variedades do jornal - Ademir também já esbanjava, na época, seu raro talento na redação do Jornal da Tarde.

Substituí, como pude, o Ademir, e depois comecei a trabalhar efetivamente no jornalismo. Mas isso é outra história.

Lembro que no bate-papo do secretário questionei a diferença que havia entre o orçamento de sua secretaria e o dinheiro que a prefeitura destinava à cultura. Na impetuosa inocência de minha juventude disse ao secretário que uma cidade não era feita só de redes de água e esgoto, mas também de manifestações culturais e que essas não poderiam ser ignoradas pelo poder público.

Mais de 40 anos depois desse episódio de minha vida, incrível, continuo com a mesma opinião, ainda mais forte porque agora a indústria cultural já se consolidou como uma das mais importantes em todo o mundo, movimentando montanhas de dinheiro e empregando milhões de pessoas.

Desprezar esse fato não é só ignorância - é muita ignorância.

Está certo que a gente não poderia esperar muita coisa desse bando aparentemente liderado pelo ex-vice-presidente da República, o usurpador.

Mas essa decisão de acabar com o Ministério da Cultura vai além do limite de tolerância que se possa ter com a incompetência dessa gente.

O mesmo pode-se dizer da extinção do Ministério das Mulheres, Igualdade Racial, Juventude e Direitos Humanos - neste caso, à ignorância some-se o descaso com a importância das ações civilizadoras de uma pasta como esta.

Conforta, porém, saber que os agentes artísticos e culturais de todo o país, bem como todo aquele que preza a inclusão social, vai lutar contra um governo que, além de ilegítimo, despreza as mais comezinhas noções de civilidade que sustentam uma sociedade democrática moderna.

Pelo jeito, é só dar corda que os usurpadores se encarregam de se enfocar.  (Carlos Motta)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…