Pular para o conteúdo principal

Bolsonaros e Malafaias não são fruto de geração espontânea

Para uma coisa esse golpe contra a democracia patrocinado pelos plutocratas e executado em conluio pelo Legislativo, Judiciário e Ministério Público, além é claro, de ter contado com a participação notável do vice-presidente, o que já seria um escândalo em qualquer país civilizado deste pobre planeta, serviu: escancarou a podridão do mundo político, a indigência moral e intelectual dos nossos parlamentares, e a burrice crassa do nosso eleitorado.

O show de horrores produzido pela Câmara dos Deputados e pelo Senado nas sessões golpistas foi algo inédito na história do Brasil.

Nunca antes tantos parlamentares haviam exposto, pública e coletivamente, e de maneira espontânea, a suas reais faces, sem maquiagem.

E elas chocaram, pelo seu horror, todos aqueles que carregam alguma noção de cidadania e de civilidade.

O problema são os outros, a imensa massa que não tem a menor ideia da importância do voto na vida de uma nação, esse pessoal que diz que todo político é corrupto - e vota nos mais corruptos!

A verdade é uma só: esse Congresso composto, em sua maioria, de figuras histriônicas e patéticas, de ignorantes e analfabetos, de reles batedores de carteira e traficantes de influência, foi eleito d-e-m-o-c-r-a-t-i-c-a-m-e-n-t-e.

Essas figuras abjetas que compõem o nosso Legislativo, é bom repetir, foram lá levadas por meio de votos conquistados em eleições livres.

O voto é secreto, cada eleitor vota em quem quiser, ninguém pode obrigá-lo a escolher A ou B, mas se ele vende o seu voto, ou não se importa em votar num ladrão qualquer ou num pastor picareta, o problema é dele.

Só que não...

O problema é nosso, o problema é do nosso país, o problema é que esse voto tem a capacidade de jogar o nosso futuro, como nação, no lixo.

Bolsonaros e Malafaias não são fruto de geração espontânea.

São, sim, frutos da burrice e da ignorância do brasileiro.  (Carlos Motta)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…