Pular para o conteúdo principal

A preocupante inação da presidenta Dilma

A presidenta Dilma Rousseff tem, certamente, a solidariedade de todos os brasileiros que querem viver num país mais justo, mais rico e importante na geopolítica mundial, e sabem, portanto, que ela foi vítima de um golpe criminoso.

Para fazer jus, porém, a uma solidariedade ainda maior, deveria deixar a inação na qual se encontra e liderar uma campanha pelo restabelecimento da democracia no Brasil, algo que, evidentemente, passa pela sua recondução ao Palácio do Planalto.

O comportamento da presidenta nestes primeiros dias do governo dos usurpadores é preocupante.

Ela, talvez esgotada física e mentalmente, se isolou do contato do público, quando, pela lógica, deveria fazer justamente o contrário.

Incomoda também o silêncio do PT, que parece estar resistindo ao golpe com meras notas de seu presidente.

Tanto Dilma como as lideranças dos partidos de esquerda e de organizações sindicais, de classe e estudantis, têm de compreender que há milhões de brasileiros inconformados com o assalto à democracia empreendido pelos usurpadores - e que se encontram à deriva, empreendendo ações dispersas, gastando seu tempo e energia em manifestações de pouca eficácia prática.

Para passar à história não como uma mártir e uma injustiçada, mas uma grande estadista, a presidenta Dilma não pode ficar à reboque do que fazem seus apoiadores, ou se cercar de estrategistas de pouca utilidade no embate contra forças muito mais poderosas, e sim ela mesmo liderar uma ampla contraofensiva, uma campanha ininterrupta, em todas as frentes, para a redemocratização.

O momento não é para elaborar teses jurídicas - o Judiciário está, como se diz, "todo dominado".

O momento é para fazer política, em todos os cantos do país.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pátria deseducadora

A arte popular brasileira ganha um livro

"Eu me ensinei: narrativas da criatividade popular brasileira" é ao mesmo tempo um livro de arte e um compêndio raro sobre a obra de 78 artistas autodidatas de todo o país. “Eu me ensinei sozinha”, frase cunhada por Izabel Mendes da Cunha, conhecida como Dona Izabel, representa, com clareza, a síntese da categoria que aglutina os artistas do livro. A obra será lançada no dia 7 de dezembro de 2017, às 18h30, na Livraria Martins Fontes – Avenida Paulista, 509, em São Paulo. 
Autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, a publicação bilíngue (português e inglês), 464 páginas, editada pela Via Impressa Edições de Arte, além de registrar a vida e obra dos artistas relacionados, traz um ensaio aprofundado sobre a questão da arte popular, de Ricardo Gomes de Lima, e texto de apresentação assinado por Fabio Magalhães. 

Com seu arsenal de conhecimento sobre essa expressão artística nacional, acumulado ao longo de 30 anos como estudiosa, colecionadora e galerista, Edna Ponte…

Juiz de direito, guitarrista. E criador de um festival internacional de música

Carlos Motta
A vida de músico não é fácil no Brasil. Da mesma forma, não é para os fracos a tarefa de promover a música num ambiente dominado por uma indústria que odeia a qualidade. Mesmo assim há pessoas que se dedicam simultaneamente à vida artística e à extenuante missão de levar cultura ao público. 

Haja fôlego, haja coragem, haja vontade.

A situação se complica ainda mais quando essa pessoa exerce uma profissão que exige uma atenção constante, quase como um sacerdócio. 

Esse é o caso o doutor José Fernando Seifarth de Freitas, juiz da Vara da Família em Piracicaba, importante cidade do interior paulista, que também é Fernando Seifarth, violonista dos mais respeitados entre o pessoal que toca o jazz manouche, ou cigano, gênero que nasceu da genialidade do belga Django Reinhardt, lá nos anos 30 do século passado e rapidamente se espalhou pelo mundo todo. 

O juiz de direito e o músico, provando que muitas vezes querer é poder, se fundiram há alguns anos para criar um dos mais interessan…